Lançamento de relatório global sobre migração e Saúde ocorre em Salvador

Uma a cada sete pessoas saíram de seu local de origem em 2018. Com um bilhão de pessoas em movimento, mais do que um fenômeno isolado a migração é uma realidade global. E urge que governos, agências multilaterais, organizações não-governamentais e pesquisadores compreendam o impacto da migração para que ações transversais sejam pensadas para esta parcela da população. É o que defende a Comissão UCL-Lancet em Migração e Saúde, que lança um relatório sobre o tema no próximo sábado, 8 de dezembro, na Conferência Intergovernamental da ONU, em Marraqueche.

No Brasil, o lançamento ocorrerá no dia 17 de dezembro, às 17h, na Reitoria da Universidade Federal da Bahia (Ufba), em Salvador (BA). O evento será conduzido pelo membro da Comissão Mauricio Barreto, professor da Ufba e coordenador do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia).

Além de Barreto, estão previstos no lançamento curtas apresentações do reitor da Ufba, João Carlos Salles; do presidente da Academia de Ciências da Bahia (ACB), Jailson Andrade; da assessora de comunicação e divulgação científica da Ufba, Mariluce Moura; e das pesquisadoras do Cidacs Júlia Pescarini e Dandara Ramos. O evento, promovido pelo Cidacs em parceria com University College London (UCL) e o período científico The Lancet, tem o apoio da Academia de Ciências da Bahia e da Ufba.

A Comissão é o resultado de um projeto de dois anos, liderado por 20 especialistas de 13 países e inclui a análise de dados novos, com dois artigos originais de pesquisa e representa a mais abrangente revisão da evidência disponível até à data. O relatório ainda inclui recomendações para melhorar a resposta em saúde pública em relação à migração.

twitterFacebookmail

Dissertação avalia a expressão de mRNA em células umbilicais desafiadas com schistosoma

AUTORIA: Kelvin Edson Marques de Jesus
ORIENTAÇÃO: Ricardo Riccio Oliveira
TÍTULO DA DISSERTAÇÃO: ” EXPRESSÃO DE mRNA DE MEDIADORES ANTIOXIDANTES E DO PROCESSO INFLAMATÓRIO EM CÉLULAS ENDOTELIAIS  DA VEIA UMBILICAL HUMANA DESAFIADAS COM Schistosoma mansoni
PROGRAMA: Pós-Graduação em Patologia Humana-UFBA /FIOCRUZ
DATA DE DEFESA: 20/121/2018

RESUMO

INTRODUÇÃO: A esquistossomose humana é uma doença parasitária que pode ser causada por cinco diferentes espécies do gênero Schistosoma, dentre elas a espécie S. mansoni, a qual apresenta ampla distribuição geográfica mundial e com altas taxas de prevalência. A patologia a ela associada diz respeito a sobrevivência do parasito ao longo da circulação dentro do hospedeiro humano, e consequente depósito de ovos que são migrados pela veia porta aos sinusóides e interstício hepático. Apesar dos estudos que levaram a compreensão da imunopatogênese na esquistossomose, ainda pouco se tem estudado sobre a importância das células endoteliais neste contexto, uma vez que elas estão em constante contato com o parasito e são fundamentais para sua sobrevivência ao longo do curso crônico da patologia.

OBJETIVO: Avaliar a expressão de mRNA de mediadores da resposta imune inata relacionados ao processo inflamatório e ao stress oxidativo em células endoteliais da veia umbilical humana desafiadas com Schistosoma mansoni.

METODOLOGIA: Culturas de células HUVEC foram desafiadas com antígenos do S. mansoni, e após os tempos de 3 e 6 horas foi realizada a extração de RNA total. Posteriormente, foi realizada a quantificação de RNA, reação de conversão em cDNA e quantificação por qPCR dos genes SOD1, GPX, GSR, HMOX-1, TLR4, TLR9, NLRP3, CASPASE-1, IL-1β e IL-18.

RESULTADOS: Não foi possível detectar mínimo de reação para os genes TLR4, TLR9, NLRP3 CASPASE-1, IL-1β, em nenhum dos tempos estudados. Entretanto, no tempo de 3 horas, foi possível detectar a expressão de IL-18 em HUVEC quando desafiadas com os antígenos SWAP, SEA, Sm29 e SmKI-1, porém sem diferenças estatísticas entre eles. Quanto aos genes relacionados ao stress oxidativo as células HUVEC, também no tempo de 3 horas, expressaram frente a todos os desafios, porém com destaque para Sm29 que foi capaz de induzir significativamente mais SOD1 do que SWAP, bem como GSR mais do que SEA e SmKI-1.

CONCLUSÃO: É possível que a comunicação entre parasito e células endoteliais desencadeie processos que permitam a sobrevivência dos vermes, uma vez que ativados os fatores antioxidantes não seja possível desencadear resposta inflamatória. Além disso, quando expostas a antígenos do ovo, a expressão de antioxidantes parece ser insuficiente o que pode ser crucial para a progressão da reação granulomatosa com fibrose. Desta forma, esses conhecimentos permitem elucidar a comunicação entre o parasito e as células endoteliais na perspectiva de novas abordagens de estudos e terapêutica.

twitterFacebookmail

Citotoxicidade do veneno de serpente para tratamento de tumor é avaliada em tese

AUTORIA: Mila de Oliveira Hughes Veiga do Rosário
ORIENTAÇÃO:Ramon dos Santos El-Bachá
TÍTULO DA DISSERTAÇÃO: “AVALIAÇÃO DA CITOCIDADE DO VENENO DE BOTHROPS LEUCURUS E TOXINAS ISOLADAS EM LINHAGENS CELULARES DE GLIOMAS ”
PROGRAMA: Pós-Graduação em Patologia Humana-UFBA /FIOCRUZ
DATA DE DEFESA: 20/121/2018

RESUMO

Introdução: Gliomas são os tumores do sistema nervoso central com prognóstico extremamente desfavorável necessitando o desenvolvimento de drogas mais eficazes.

Objetivo: Avaliar o potencial antitumoral do veneno total, frações cromatográficas e algumas proteínas de interesse provenientes do veneno de Bothrops leucurus, um viperídeo amplamente distribuído no nordeste brasileiro em linhagens celulares de gliomas.

Material e métodos: As frações que exibiram atividade antitumoral para células C6 e U251 foram purificadas por cromatografia e as proteínas foram identificadas por espectrometria de massa. As frações cromatográficas foram testadas quanto à pureza por eletroforese em gel de poliacrilamida. A viabilidade celular foi avaliada pelo ensaio de MTT e o tipo de morte celular por citometria de fluxo, com dupla marcação celular por anexina V e iodeto de propídio após tratamentos. A morfologia das células foi observada por microscopia de contraste de fase.

Resultados e Discussão: O tratamento com o veneno total demonstrou uma citotoxicidade dependente da concentração mais relevante para as células tumorais do que para os astrócitos. Diminuição da celularidade e alterações morfológicas foram observadas. O veneno total a 3 μg/mL matou as células de tumor por necrose, mas não induziu a morte de astrócitos. Ensaios de citotoxicidade foram realizados para as frações cromatográficas e as proteínas relevantes foram purificadas. A metaloprotease P-III leucurolisina-b demonstrou uma citotoxicidade dependente da concentração para células de tumor de glioma de rato C6 apresentando a mediana da EC50 de 1,44 μg/mL (variação: 1,29-1,48 μg/mL; n = 3) e de 2,25 μg/mL (variação: 2,07-2,49 μg/mL; n = 3) para células de glioblastoma humano U251. Além disso, esta proteína não afetou a viabilidade de astrócitos. A principal causa de morte celular foi apoptose. A fosfolipase A2 básica demonstrou uma citotoxicidade dependente da concentração para células de tumor C6 apresentando a mediana da EC50 de 30,00 μg/mL (variação: 27,36-32,16 μg/mL; n = 3) e de 39,81 μg/mL (variação: 38,12-41,86 μg/mL; n = 3) para células U251. Esta proteína também não afetou a viabilidade dos astrócitos. No entanto, a principal causa de morte celular foi devido a necrose.

Conclusões: Estes resultados demonstram um enorme potencial para a concepção e desenvolvimento de novos medicamentos anticancerígenos derivados de proteínas do veneno de Bothrops leucurus.

Palavras-chave: Gliomas, venenos ofídicos, atividade antitumoral, Bothrops leucurus.

twitterFacebookmail

Trabalhos da Bahia recebem condecoração na 9ª OBSMA

No último dia 28 de novembro, o auditório do Museu da Vida (Fiocruz/RJ) foi tomado por emoções durante a cerimônia de premiação da 9ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fiocruz (Obsma). Mais de 70 estudantes e professores representantes dos trabalhos selecionados na etapa regional e para o prêmio especial Ano Oswaldo Cruz participaram da grande celebração na sede da instituição, no Rio de Janeiro. O momento mais festejado do evento foi o anúncio dos trabalhos selecionados na etapa nacional da edição, realizada dias antes da cerimônia. 

Dos seis trabalhos Destaques Nacionais, dois foram da Bahia: no Ensino Fundamental, ganhou “Homem X Água… Atitudes Negativas e Corretivas”, do Centro Integrado Oscar Marinho Falcão, da cidade de Itabuna, e no Ensino Médio, venceu “Carne Nutritiva e Sustentável a Partir do Coração (Flor) da Bananeira”, do Colégio Estadual Luís Cabral, do município de Canudos. Ambos na modalidade Projeto de Ciências.

Para Nelzair Viana, pesquisadora da Fiocruz Bahia, jurada da regional Nordeste II e representante da unidade no evento, a Olimpíada consolida o importante papel da instituição em estimular e democratizar o conhecimento científico. “É uma grande oportunidade para os jovens cientistas ter o primeiro contato com a ciência, sendo protagonistas de investigações, buscando soluções em relevantes temas de saúde e ambiente que poderão impactar na melhoria da qualidade de vida de toda a sociedade. Este projeto, de ampla abrangência em nível nacional, promove ainda um ambiente de total interação com a diversidade cultural do Brasil”.

Cerimônia e encerramento da 9ª OBSMA

Dando boas-vindas aos presentes, a coordenadora nacional da Obsma e pesquisadora da Fiocruz Cristina Araripe parabenizou o trabalho da equipe olímpica nos últimos dois anos e falou sobre a expectativa da próxima edição, comemorativa dos 20 anos da iniciativa. “Estamos muito felizes em encerrar o trabalho iniciado em 2016 diante de uma plateia tão especial. São mais de 100 pessoas envolvidas no projeto, às quais agradeço imensamente a dedicação. Também gostaria de fazer um agradecimento especial à presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, que faz parte desta história, já que coordenou as duas primeiras edições da Olimpíada. O agradecimento se estende aos professores que estão aqui e que, sabemos, acreditaram na Fiocruz, uma instituição pública de saúde que crê na educação”, disse a coordenadora durante a abertura do evento.

Destacando as atividades promovidas nas Oficinas Pedagógicas da Obsma ao longo de 2017 e 2018, sobretudo em cidades do interior do país, Cristina Araripe chamou atenção para a importância dos temas presentes na Agenda 2030 e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para o trabalho pedagógico da Olimpíada. Em nome de toda a equipe, ressaltou também a satisfação trazida com o recorde de inscrições recebidas pela 9ª Obsma, além do grande volume de alunos envolvidos nos trabalhos, que chegaram de todos os estados brasileiros pela primeira vez. Confira os números da 9ª Obsma.

Diretores, pesquisadores e colaboradores de várias unidades da Fiocruz acompanharam a cerimônia e se emocionaram durante o evento. Entre eles, estiveram o diretor do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), José Paulo Gagliardi Leite; também do IOC, o pesquisador emérito José Rodrigues Coura e o diretor da Casa de Oswaldo Cruz, Paulo Elian. Também esteve presente o representante da Asfoc – Sindicato Nacional, Alcimar Pereira Batista.

Jurado da etapa nacional da Obsma, o professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Ivo Leite saudou os premiados. “Integro o Movimento Nacional de Feiras de Ciências e posso dizer que não importa o caminho que estamos seguindo, nós não podemos deixar que nenhum desses jovens deixe de acreditar neste país, por isso é preciso ressaltar a importância de todos vocês que participaram. Vocês já são vencedores”, declarou.

A vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz, Cristiani Machado, ressaltou a importância da iniciativa: “Esta Olimpíada é um dos orgulhos da Fiocruz por incentivar o interesse, a reflexão crítica e o levantamento de questões sobre saúde e meio ambiente que geraram trabalhos criativos em diferentes linguagens. A iniciativa é muito importante para nós, pois representa uma das estratégias de atuação da Fiocruz junto à Educação Básica, principalmente pela característica especial de grande mobilização nacional”, enfatizou Cristiani.

A entrega das placas, medalhas, troféus e certificados foi marcada por muitos aplausos de toda a plateia. Cada professor acompanhado de um aluno representavam suas escolas para receber no palco da cerimônia as condecorações como Destaques Regionais. Houve ainda a entrega de um certificado a representantes de um trabalho audiovisual sobre história da ciência desenvolvido em Campo Grande-MS. Os vencedores do Prêmio Ano Oswaldo Cruz receberam das mãos do doutor José Rodrigues Coura e da vice-presidente Cristiani Machado a homenagem por seus trabalhos que utilizaram recursos educacionais produzidos pela instituição. Ansiosamente aguardado, o anúncio dos seis Destaques Nacionais (conheça os selecionados ao final do texto) foi muito festejado pelos ganhadores, que vieram de Bahia, Ceará, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo. A entrega do grande prêmio foi realizada por colaboradores da Obsma e também pela presidente da Fiocruz Nísia Trindade Lima.

Após o momento da celebração dos premiados, a presidente saudou a todos. “Este é um projeto que coloca algo central na Fiocruz, que é a de sermos uma instituição educadora. Somos uma instituição em que saúde, educação e ciência caminham juntas com uma visão de cidadania, e é isso que acho que esta olimpíada traz”, felicitou Nísia, que continuou: “Sobretudo, quero falar do simbolismo deste evento de hoje mostrando este papel das escolas congregadas neste projeto, dos professores, dos estudantes. Nós vamos seguir nesse caminho. É uma olimpíada de superação de obstáculos, de afirmação de uma proposta educacional, algo central para a saúde, para a cidadania em nosso país”.

Mascote da 9ª Olimpíada, nosso querido ‘Oswaldinho’ marcou presença no encerramento da cerimônia para finalizar as atividades da edição com muito humor, renovando todos os ânimos para a jornada rumo à 10ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente!

 

Conheça os trabalhos Destaques Nacionais

 

Modalidade Produção de Texto

Ensino Fundamental

UM OLHAR CIENTÍFICO NA LITERATURA – Escola Municipal de Tempo Integral Professor Alexandre Rodrigues de Albuquerque – Fortaleza-CE

Ensino Médio

OS MENSAGEIROS DE GAIA – Colégio Técnico da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – Seropédica-RJ

 

Modalidade Projeto de Ciências

Ensino Fundamental

HOMEM X ÁGUA… ATITUDES NEGATIVAS E CORRETIVAS – Centro Integrado Oscar Marinho Falcão – Itabuna-BA

Ensino Médio

CARNE NUTRITIVA E SUSTENTÁVEL A PARTIR DO CORAÇÃO (FLOR) DA BANANEIRA – Colégio Estadual Luís Cabral – Canudos-BA

 

Modalidade Produção Audiovisual

Ensino Fundamental

(H)A VIDA POR TRÁS DO LIXO – Colégio Oficina do Estudante – Campinas-SP

Ensino Médio

CULTIVANDO SAÚDE – Colégio Casucha – Santo Antônio da Platina-PR

 

Clique aqui para acessar a listagem dos Destaques Regionais e ganhadores do Prêmio Ano Oswaldo Cruz

twitterFacebookmail

Reportagem de O Globo destaca estudo conduzido pelo Cidacs da Fiocruz Bahia

Foi publicada nessa quinta-feira (29/11), no jornal O Globo, uma matéria que destaca a Coorte de 100 Milhões de Brasileiros e mostra como o trabalho do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs) da Fiocruz Bahia pode contribuir para o mundo.

O Cidacs “está na base de diversas das 25 pesquisas selecionadas na primeira chamada exclusiva para o Brasil do programa Global Challenges (“desafios globais”) da Fundação Bill & Melinda Gates, anunciadas nesta quinta-feira. Cada uma vai receber financiamento de US$ 100 mil (cerca de R$ 385 mil) da fundação e em contrapartidas do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)”, cita a reportagem.

O principal objetivo da “Plataforma de estudos e avaliações contínuas dos determinantes sociais e efeitos do Programa Bolsa Família e outros Programas de Proteção Social sobre a saúde – Coorte de 100 milhões de brasileiros” é criar uma coorte inédita e inovadora que viabilize o estudo das determinantes sociais e dos efeitos de políticas e programas sociais sobre os diferentes aspectos da saúde na sociedade brasileira.

Para atingir esse objetivo, vincula informações dos programas sociais e de outras bases de dados de sistemas de informação em saúde, como mortalidade, nascimento, doenças infecciosas transmissíveis e não transmissíveis, entre outros desfechos. Os projetos vinculados a essa coorte processam, analisam e interpretam de forma rigorosa as informações obtidas a partir de grandes bases eletrônicas de dados, gerando novos conhecimentos úteis em processos de tomada de decisões no campo das políticas sociais – em especial aquelas focadas na redução da pobreza e das desigualdades sociais no Brasil.

Leia a matéria publicada n’Globo e na Época Negócios.
twitterFacebookmail

Inscrições abertas para Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família

O Instituto Gonçalo Moniz (IGM/Fiocruz Bahia) e a Fundação Estatal de Saúde da Família (FESF) tornam público a abertura da realização do processo seletivo, com vistas ao preenchimento de 70 vagas, para o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da FESF-SUS/Fiocruz – Programas de Pós-Graduação Lato Sensu, período letivo 2019-2021. As inscrições podem ser realizadas, exclusivamente online, até o dia 09 de dezembro de 2018.

Clique aqui para acessar o edital e confira os pré-requisitos, como efetuar a matrícula e outras informações.

As vagas são na área de Medicina, Enfermagem, Odontologia, Fisioterapia, Educação Física, Nutrição, Sanitarista e Psicologia. O programa de formação visa contribuir para a reorientação do modelo assistencial a partir da atenção básica, norteados pelos princípios do Sistema Único de Saúde e da Estratégia da Saúde da Família, e se desenvolve de modo integrado com o de Medicina Geral de Família e Comunidade da FESF-SUS.

 

twitterFacebookmail

Fiocruz lança Twitter para notícias em inglês

Daniela Rangel (Agência Fiocruz de Notícias)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) acaba de lançar seu Twitter em inglês. O objetivo da ferramenta é divulgar as notícias da instituição que tenham interesse para a comunidade internacional. Com parcerias em mais de 50 países e 100 instituições, a Fundação já conta com um boletim de notícias internacional, que acabou de completar dois anos. “A nova conta de Twitterda Fiocruz vem se somar à estratégia de estreitar o contato com as instituições de todo o mundo que trate de assuntos de ciência, tecnologia e saúde pública”, conta Elisa Andries, coordenadora de Comunicação Social da Fiocruz. O endereço do Twitter em inglês é @fiocruz_en.

Com o novo Twitter, a Comunicação aproveita para reforçar o planejamento de mídias sociais da Fundação, que conta com canal de YouTubeInstagramFacebook e o próprio Twitter. “Atualmente, as mídias sociais são essenciais para criar uma ligação entre a sociedade e as instituições, assim, não é possível pensar Comunicação sem estes instrumentos, que são muito eficazes para passar informação qualificada e de maneira rápida”, explica Elisa. O canal do You Tube disponibiliza vídeos oficiais da Fiocruz e, em destaque, está o institucional, lançado recentemente, que já conta com mais de oito mil visualizações. O canal pode ser acessado aqui.

Além da divulgação dos principais eventos da Fundação, a fanpage no Facebook (/oficialfiocruz), que conta com pouco mais de 127 mil curtidas, mostra as ações e serviços da Fiocruz. Já o Instagram (/oficialfiocruz) chegou à marca de dez mil seguidores e, por se tratar de uma mídia que privilegia as fotos, acaba por promover a integração entre as pessoas e a Fiocruz por meio de marcação em fotos e uso de hashtags que remetem à instituição. O Instagram é a rede social que mais cresce no mundo e alcançou o impressionante número de um bilhão de usuários ativos recentemente.

Twitter internacional será a terceira conta institucional da Fiocruz neste ambiente, uma vez que a Fundação possui o Fiocruz Oficial (@fiocruz) e o da Agência Fiocruz de Notícias (AFN) (@agencia_fiocruz). O oficial, criado no início de 2009, há quase dez anos, tem cerca de 47 mil seguidores, enquanto o da AFN, lançado no mesmo ano, em 2009, tem mais de 240 mil, o que comprova que esta mídia social é a ideal para a disseminação de notícias. Vale lembrar que a atuação da Fiocruz nas mídias sociais vai além das contas gerenciadas pela Comunicação, uma vez que várias unidades e regionais da Fundação também possuem seus perfis independentes, de forma a assegurar a comunicação com todos os públicos, do geral até os mais segmentados.

twitterFacebookmail

Fiocruz participa do 6º Fórum Brasil África

O Instituto Brasil África (IBRAF) realizou, nos dias 22 e 23 de novembro, em Salvador (Bahia), o 6º Fórum Brasil África, que teve como tema “Empoderamento Juvenil: Transformação para Alcançar o Desenvolvimento Sustentável”. O evento reuniu representantes de governos, empresas, universidades e potenciais investidores e teve como objetivo fortalecer os laços e estimular novas parcerias entre os países africanos de língua portuguesa.

No primeiro dia, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, integrou o painel “Cooperação Sul-Sul e Triangular para saúde e desenvolvimento” mediado pelo ex-ministro da Saúde e consultor da Unitaid, José Gomes Temporão. Além de Nísia, participaram do debate o diretor do Escritório das Nações Unidas para Cooperação Sul-Sul, Jorge Chediek, e o diretor de Relações Externas da Unitaid, Mauricio Cysne.

Nísia Trindade e João Bosco Monte, presidente do IBRAF, ao final do painel, lançaram uma iniciativa voltada para formação técnica, através da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Rio de Janeiro). O “Curso de Manutenção de Equipamentos de Laboratório de Patologia” será oferecido, na sede da Fiocruz, para jovens africanos pertencentes à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

No segundo dia do Fórum, a Fiocruz organizou um Side Event, que consistiu em uma roda de conversa composta por representantes e especialistas de diferentes unidades da Fundação para discutir com os participantes estratégias e programas de parcerias internacionais.

A presidente da Fiocruz disse que um dos aspectos mais importantes do Fórum é ser um espaço de agregação entre representantes de vários países africanos e do Brasil, numa agenda ampla que envolve o desenvolvimento da saúde e educação. “Nós estamos no evento com foco específico na cooperação na área de saúde principalmente com os países africanos de língua oficial portuguesa. Esse contexto nos permite ver melhor a agenda inter setorial para correlação e cooperação com esses países”, comentou.

Durante o painel, Nísia Trindade agradeceu o convite para participar do Fórum, ressaltou como a colaboração Sul-Sul é fundamental para se pensar no desenvolvimento sustentável e abordou a questão das desigualdades. “Apenas um projeto político de superação poderia colocar em cena uma maior equidade entre os países. Recentemente, a agenda 2030 colocou também o desenvolvimento como direito humano e coloca a erradicação da pobreza, acentuando bastante a questão da extrema pobreza”, declarou.

Outro ponto destacado foi a agenda da Fiocruz de cooperação discutida a partir de um planejamento estratégico com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e colaborações com vários países africanos que falam outras línguas, como Benin e Nigéria. Nísia afirmou que a cooperação parte de uma visão estruturada em rede desses países, nos quais as instituições de saúde pública têm papel central.

José Temporão fez um desafio aos convidados colocando a questão do empoderamento da juventude como pretexto fundamental para o desenvolvimento sustentável. “De que maneira podemos pensar a Triangulação Sul-Sul para impactar positivamente o processo de empoderamento da juventude?”, indagou o mediador. Nísia mencionou o tripé educação, ciência e saúde como elementos fundamentais, tendo a Saúde como projeto civilizatório, com uma agenda construída com os jovens.

Capacitação de jovens africanos

De acordo com o presidente do IBRAF, a ideia de realizar uma parceria com a Fiocruz surgiu quando Nísia Trindade esteve no 5º Fórum Brasil-África, no ano passado. “A Fiocruz tem uma agenda absolutamente ampla nas suas ações, atuando em diversos lugares, inclusive no contexto africano. O que a gente pensa é que alguns programas que a Fiocruz já desenvolve, principalmente na área da capacitação técnica, possam ser apresentados para jovens africanos”, afirmou.

O curso de manutenção de equipamentos é realizado frequentemente pela EPSJV e já fez parte de outros processos de cooperação. “Somos muito gratos de dar a esses jovens a oportunidade de receber o ensinamento de uma instituição que pode trazer soluções objetivas para lugares que precisam de ajuda urgente. Espero que essa parceria anime outras instituições a virem até nós e dizer que também querem ser parceiras”, completou João Bosco.  

Durante o Fórum, representantes da Fiocruz e do IBRAF se reuniram para discutir consensos preliminares para a estruturação do “Curso de Manutenção de Equipamentos de Laboratório de Patologia”. O projeto de cooperação entre as duas instituições integrará a oferta de cursos que compõem o Programa de Capacitação de Jovens Africanos, desenvolvido pelo instituto.

“A experiência indica que, apesar do curso ser formado com disciplinas específicas, deve-se estar atento à realidade desse outro país, já que estamos falando de um processo formativo”, explicou Ingrid D’Avilla, coordenadora do setor de Cooperação Internacional da EPSJV, voltada para a formação de técnicos em saúde. Para a coordenadora, esse tipo de curso pode desenvolver a estruturação dos sistemas públicos de saúde de modo a ampliar as capacidades dos serviços e, consequentemente, pela melhoria das necessidades de saúde da população.

Parcerias internacionais

Com foco na juventude, o Side Event promoveu o diálogo sobre a possibilidade de novos projetos e iniciativas em ciência, tecnologia e inovação em saúde. “Dentro do planejamento anual, a juventude é uma das prioridades da Fiocruz. Trabalhamos com a inserção do jovem na sociedade em relação ao processo de formação e atenção à saúde, além do trabalho de território”, relatou Valber Frutuoso, assessor de relações institucionais da Fiocruz e coordenador do Side Event.

Um projeto colaborativo entre Fiocruz, Centers for Disease Control and Prevention (CDC), Emory University (Atlanta, EUA), e nações africanas da CPLP, promove a saúde desses países por meio da criação ou fortalecimento de instituições análogas à Fiocruz voltadas para a saúde pública.

Augusto Paulo da Silva, do Centro de Relações Internacionais da Fiocruz, realiza o monitoramento do Plano Estratégico de Cooperação em Saúde da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Ele contou que a Fundação colabora para que esses países tenham instituições congêneres à Fiocruz. “Começamos esse exercício de criar ou fortalecer essas instituições para promover um desenvolvimento científico e tecnológico em saúde similar ao que temos na Fiocruz. Guiné-Bissau e Cabo Verde, por exemplo, possuem um novo instituto de saúde pública, com campus e laboratório próprios”.

Ainda de acordo com Augusto Paulo, a Fiocruz iniciou essas atividades antes do surto do Ebola, de forma que fomentou a preparação dessas nações para combater essa epidemia. “Para combater um evento público é necessário que existam institutos em saúde pública fortalecidos. Projetos verticais não são o suficiente para lidar com essas questões”, opina. Paulo Augusto indica que, no futuro, a Fiocruz desenvolverá junto com a União Africana o CDC Africa, que quer utilizar a experiência brasileira de criar instituições dentro dos moldes locais, em vez que importar um modelo estrangeiro.

A diretora do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), Valdilea Gonçalves, apresentou os avanços das pesquisas em relação a Profilaxia Pré-Exposição, mais conhecido como PrEP. Trata-se de um grande programa que tem financiado o uso de PrEP como intervenção em populações chave, com alto risco de contrair o HIV, trabalho já realizado no México e no Peru. “Estamos interessados em aumentar a nossa colaboração Sul-Sul. Já iniciamos as discussões com Moçambique e estamos abertos a discutir planos e colaborações com outros países da África”, afirmou.

Outra experiência que está sendo levada para os outros países, é a de segurança alimentar e nutritiva. Fabiana Damásio, diretora da Fiocruz Brasília, abordou a experiência no ano passado em Moçambique. Foram promovidos dois cursos sobre segurança e governança alimentar para gerentes e técnicos em saúde. Este curso gerou a demanda no público e uma especialização para a área, com o objetivo de reduzir a má nutrição nessas nações. “Recentemente, desenvolvemos uma proposta para o plano local de redução da má nutrição nesses países, nos ministérios da saúde dessas nações, para desenvolver atividades no próximo ano. Tentamos agregar experiências do Brasil, que conseguiu sair do mapa da fome em 2014”, informou.

Para Pedro Burger, assessor de relações internacionais da Fiocruz, esse tipo de atividade reforça sistemas de saúde ao levar as experiências com o SUS, sobre a capacidade de vigilância e a luta contra a desigualdade econômica. “Participar deste tipo de evento tem dois objetivos: se fazer conhecer e atrair a atenção dos participantes de que estamos preparados para a cooperação internacional”, afirmou.

Confira as fotos:

 

twitterFacebookmail

Fiocruz Bahia realiza capacitação em Primeiros Socorros

A Fiocruz Bahia em parceria com o projeto SAMU Solidário vai oferecer uma capacitação em Primeiros Socorros – Suporte Básico de Vida, no dia 26 de novembro. A atividade, que acontece através do Programa Rede Diálogos, visa melhor preparar a comunidade para auxilio em casos de acidentes. Como contrapartida, será solicitada aos inscritos 2 unidades de 400g de leite em pó, que serão doadas para a Instituição Cristã de Amparo ao Jovem (ICAJ). A inscrição pode ser realizada através deste link.

A capacitação será ministrada pela instrutora do Núcleo de Educação Permanente do SAMU Salvador e coordenadora do projeto SAMU Solidário, Adriana Carvalho. Os participantes terão a oportunidade de entender o que é o SAMU e como ele funciona e participarão da aula de primeiros socorros em casos de fraturas, infarto, AVC, queimaduras, sangramento, intoxicação, queda e entorses.

Instituição Cristã de Amparo ao Jovem

A ICAJ é uma entidade legalmente constituída desde o ano de 1989, sem fins lucrativos, localizada no Acupe de Brotas. É voltada ao acolhimento institucional de pré-adolescentes e adolescentes, do sexo masculino, órfãos ou impossibilitados do convívio familiar, encaminhados pelo Juizado da Infância e Juventude, pelo Ministério Público do Estado ou pelos Conselhos Tutelares de Salvador.

Na Instituição, os acolhidos moram durante o período necessário à promoção do retorno à família de origem (quando isso é possível) ou até que se dê a colocação judicial em família substituta. Quando estas duas possibilidades se mostram inviáveis, passa-se a trabalhar na perspectiva da construção de um projeto de vida independente da família, que só se concretizará com a maioridade do acolhido.

Primeiros Socorros – Suporte Básico de Vida

Quando: 26 de novembro de 2018
Onde: Sala de Aula II da biblioteca da Fiocruz Bahia
Horário: das 14 horas às 17 horas
Inscrição: 2 unidades de 400g de leite em pó

twitterFacebookmail

Exames de imagem auxiliam na detecção de microcefalia relacionada ao vírus Zika

O pesquisador do Instituto Gonçalo Moniz (IGM/Fiocruz Bahia), Guilherme de Sousa Ribeiro, coordenou um estudo clínico-epidemiológico que utilizou resultados de exames de imagem intracraniana para confirmar ou descartar a ocorrência de alguma anormalidade congênita no cérebro de crianças com suspeita de microcefalia potencialmente relacionada à infecção pelo vírus Zika em Salvador, Bahia. O trabalho foi realizado em colaboração com o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, e publicado na revista científica Eurosurveillance, com o título “Congenital brain abnormalities during a Zika virus epidemic in Salvador, Brazil, April 2015 to July 2016”.

No trabalho, os autores descrevem aspectos clínicos e epidemiológicos do surto de microcefalia ocorrido em Salvador e avaliam a performance de diferentes critérios de triagem, que utilizam a circunferência da cabeça do bebê ao nascer, para detectar crianças com suspeita de microcefalia. Essa avaliação foi realizada correlacionando os resultados das medidas de circunferência com os achados nos exames de imagem. De acordo com a pesquisa, entre abril de 2015 e julho de 2016, 650 bebês nascidos em Salvador foram notificados por suspeita de microcefalia, dos quais 365 tiveram os prontuários médicos revisados para obtenção dos resultados de exames de imagem intracraniana.

Dentre os 365 casos investigados, 166 (45,5%) apresentaram alguma alteração nos exames de imagem, enquanto 199 (54,5%) tiveram exames normais. As lesões mais comumente identificadas pelos exames foram calcificações cerebrais (86,1%) e dilatação nos ventrículos (66,9%). O período de maior detecção de crianças com alterações nos exames de imagem foi o mês de dezembro de 2015, quando a cada 100 crianças nascidas vivas, duas foram acometidas. Também, foi observado que, comparadas às crianças com exames de imagem sem alterações, aquelas com alterações nos exames de imagem foram significativamente mais propensas a terem nascido de forma prematura e de mães que apresentaram manifestações clínicas sugestivas de infecção pelo vírus Zika durante a gravidez.

Por fim, a pesquisa destaca que nenhum dos critérios de triagem para detecção de microcefalia pela circunferência da cabeça ao nascer apresentou um desempenho satisfatório, indicando que outras estratégias de triagem são necessárias. Com isso, os autores concluem sugerindo que a detecção eficiente de crianças com risco de apresentar a síndrome congênita do Zika deve combinar a realização de exames de imagem intracraniana, como ultrassonografia pré e pós-natal, e a história clínica durante a gestação, em particular a presença de sintomas compatíveis com infecção pelo vírus Zika.

twitterFacebookmail

Divulgado edital de seleção para mestrado e doutorado em Patologia

O Programa de Pós-graduação em Patologia (PGPAT) divulgou o Edital de Seleção 2019.1 para mestrado e doutorado. As inscrições podem ser realizadas a partir de 14/11 até o dia 26/11. Os candidatos ao PGPAT devem ser alunos graduados da área de ciências biológicas e da saúde.

A inscrição para seleção poderá ser feita, condicionalmente, por aluno matriculado no último semestre do curso de graduação (estes candidatos devem comprovar a sua condição de graduados antes da matrícula).

A coordenação salienta que houve algumas modificações no edital, este ano:

– No quesito 1.3.1 REGIME E DURAÇÃO

A defesa de Doutorado tem como pré-requisito a submissão de pelo menos 01 artigo para publicação. Esse pré-requisito será valido para alunos com ingresso a partir de 2019.1.

-No quesito 4.7, sobre Bolsas, que informa:

O PGPAT solicita regularmente bolsas das agências de fomento: CAPES, CNPq e FAPESB.

Mesmo assim o PGPAT NÃO ASSUME o compromisso de conceder bolsas a todos os estudantes selecionados DENTRO DO NÚMERO DE VAGAS, uma vez que o número de bolsas disponíveis por seleção pode ser inferior ao número de vagas total oferecidas neste edital. Os candidatos deverão declarar no ato da inscrição, em formulário próprio (anexo ao edital), que estão cientes que o Programa PGPAT não assume o compromisso de conceder bolsas a todos os estudantes selecionados dentro do número de vagas e que concordam em cursar todo o mestrado ou doutorado sem bolsa, caso o programa não tenha disponibilidade para concessão de bolsa no ato da matrícula. A concessão da bolsa obedecerá a ordem de classificação apresentada no item 4.4 deste edital e será definido por uma Comissão de Bolsas.

 

twitterFacebookmail

Pesquisa revela consumo de maconha nos mosquitos transmissores de Leishmaniose

Um estudo realizado no Brasil, Israel, Palestina, Etiópia e Cazaquistão mostra que os mosquitos transmissores do protozoário da Leishmania preferem o consumo de Cannabis sativa a demais vegetais. O curioso achado científico foi publicado nos anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (PNAS) em artigo liderado pelo pesquisador do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia), Artur Queiroz.

No Brasil, os insetos foram coletados do município de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, Bahia, local onde diversos estudos sobre a leishmaniose são realizados pela Fiocruz. A coleta foi realizada ainda em outras cinco localidades do Oriente Médio e África.

A partir da observação notou-se, por meio de sequenciamento genético do material que estava no sistema digestório dos mosquitos, uma predileção e alto consumo de Cannabis. “O mais interessante é que o consumo dessa erva aparece em vários mosquitos de diferentes localidades, mesmo não sendo uma planta nativa e percebida pela população”, comentou o pesquisador do Cidacs, Artur Queiroz, que esteve à frente dos estudos no Brasil.

“Ainda não sabemos o porquê desses mosquitos preferirem a Cannabis. Mas no futuro poderemos compreender melhor essas questões e as aplicabilidades desse achado. Foi, inicialmente, uma evidência interessante e curiosa, mas que poderá ser utilizada para fins epidemiológicos e de controle da doença”, explica Queiroz, que é biomédico e doutor em modelagem computacional. Uma outra possibilidade a ser trabalhada, a partir dessa conclusão, é o uso dos insetos como marcador de Cannabis no controle de plantações ilegais. “Mas é uma ideia ainda bem inicial”, frisa o pesquisador.

Os mosquitos com maior concentração da erva no organismo foram encontrados na região de Tubas, território sobre autoridade da Palestina. Além de Tubas e Camaçari, as regiões observadas no estudo são o Deserto da Judeia, na região da Cisjordânia, a cidade de Bura no Cazaquistão, a região de Sde Eliyahu em Israel e de Sheraro, na Etiópia.Em todas as seis localidades, os mosquitos foram coletados em regiões de mata com farta opção de vegetais.

Bioinformática e Leishmaniose

Os estudos associando consumo de maconha e mosquitos transmissores de Leishmaniose se concentram numa área de pesquisa que integra a biomedicina, biologia e informática, chamada de bioinformática. Neste achado, os pesquisadores encontraram o gene da planta no organismo do mosquito por meio de um sequenciamento usando a metodologia NGS (Next Generation Sequence). 

Tal tecnologia permitiu identificar as fontes alimentares dos mosquitos transmissores de Leihsmania infectados e não infectados. Tanto mosquitos infectados quanto não infectados foram analisados, bem como foi observado fêmeas (consumidoras de sangue e de seiva) e machos (consumidores exclusivos de seiva) e visto, numa análise total, que 50% dos machos tinham consumido a erva e consumo foi de 75% entre as fêmeas.

Tais estudos são importantes na compreensão do comportamento alimentar desse mosquito tendo em vista que Leishmaniose é um problema de saúde pública que atinge principalmente as regiões sem saneamento básico. A Leishmaniose é uma doença causada pelo protozoário Leishmania que se hospeda em diversos mosquitos e quando este inseto pica o ser humano leva o agente causador da doença para corrente sanguínea.

Existem, basicamente, dois tipos de Leishmaniose, a tegumentar – cutânea, com manifestações na pele, como feridas – e a visceral – que atinge órgãos internos destruindo as suas estruturas e que pode levar ao óbito. Entre 2010 e 2014 foram registrados cerca de 17 mil novos casos de Leishmania Visceral e mais de 1.100 óbitos, já os casos de tegumentar são estimados em 22 mil por ano, segundo o Ministério da Saúde.

twitterFacebookmail

Tese avalia os efeitos da terapia com células-tronco na cardiopatia chagásica crônica

AUTORIA: Daniela Nascimento Silva
ORIENTAÇÃO: Milena Botelho Pereira Soares
TÍTULO DA TESE: “TERAPIA COM CÉLULAS-TRONCO MESENQUIMAIS GENETICAMENTE MODIFICADAS PARA SUPEREXPRESSÃO DE G-CSF E IGF-1 NA DOENÇA DE CHAGAS CRÔNICA EXPERIMENTAL ”
PROGRAMA: Pós-Graduação em Patologia Humana-UFBA /FIOCRUZ
DATA DE DEFESA: 09/11/2018

RESUMO

INTRODUÇÃO: A doença de Chagas é uma doença parasitária causada pelo Trypanosoma cruzi, a qual representa uma das principais causas de morbimortalidade na América Latina. As intervenções terapêuticas existentes não são totalmente eficazes, sendo o transplante cardíaco a única alternativa para os pacientes com cardiopatia chagásica crônica (CCC) grave. Neste sentido, a ausência de terapias capazes de atuar diretamente sobre os determinantes fisiopatológicos da doença torna necessária a identificação de novas abordagens terapêuticas. Estudos previamente realizados pelo nosso grupo mostraram que a utilização de células-tronco obtidas da medula óssea e de outras fontes teve efeitos benéficos no tratamento da CCC experimental. A possibilidade de potencializar os efeitos parácrinos das células-tronco através de modificação genética tem sido alvo de investigações científicas.

OBJETIVO: Avaliar os efeitos da terapia com células-tronco mesenquimais (CTMs) da medula óssea, modificadas geneticamente para superexpressar o fator estimulador de colônias de granulócitos (hG-CSF) ou o fator de crescimento semelhante à insulina 1 (hIGF-1) em um modelo experimental de CCC.

MATERIAL E MÉTODOS: Camundongos C57BL/6 foram infectados com 1000 tripomastigotas da cepa Colombiana de T. cruzi e, após seis meses de infecção, foram tratados com CTM, CTM-G-CSF, ou CTM-IGF-1. Grupos de animais não infectados ou infectados tratados com salina (veículo) foram utilizados como controles. Todos os animais foram eutanasiados sob anestesia após dois meses de tratamento para análises histopatológicas e morfométricas do coração ou músculo esquelético, bem como para avaliação da expressão de citocinas inflamatórias.

RESULTADOS: As secções de corações de camundongos dos grupos tratados com CTM, CTM-GCSF ou CTM-IGF-1 apresentaram redução significativa do número de células inflamatórias e do percentual de fibrose em comparação aos animais chagásicos tratados com salina, sendo esta diferença mais evidente no grupo que foi tratado com células-tronco que superexpressam o G-CSF. Além disto, a terapia com CTM-G-CSF induziu a mobilização de células imunomoduladoras para o coração, tais como células supressoras de origem mielóide (MDSC) e células T regulatórias Foxp3+ que expressam IL-10. A avaliação da expressão gênica das citocinas inflamatórias no tecido cardíaco mostrou um aumento das citocinas inflamatórias em animais chagásicos crônicos quando comparados aos controles não infectados, sendo a maioria delas moduladas de forma significativa nos grupos que foram tratados com CTM ou CTM-G-CSF. Apesar da terapia utilizando CTM-IGF-1 não ter apresentado benefício adicional ao tecido cardíaco comparado ao grupo que foi tratado com CTM não modificadas, foi observado um efeito regenerativo desta terapia no músculo esquelético dos animais, resultando em um aumento de fibras musculares esqueléticas 60 dias após o tratamento.

CONCLUSÃO: Nossos resultados demonstram que o tratamento com CTM da medula óssea que superexpressam hG-CSF ou hIGF-1 potencializou o efeito terapêutico das CTMs através de ações imunomoduladoras e pró-regenerativas no coração e músculo esquelético de camundongos cronicamente infectados por T. cruzi. Desse modo, a modificação genética de CTMs para superexpressão de fatores com potencial terapêutico representa uma estratégia promissora para o desenvolvimento de novas terapias para a cardiomiopatia chagásica crônica.

PALAVRAS-CHAVE: Cardiomiopatia chagásica, terapia celular, células-tronco mesenquimais, G-CSF, IGF-1.

 

twitterFacebookmail

Visitação de estudantes marcam as atividades da SNCT 2018 na Fiocruz Bahia

A Fiocruz Bahia promoveu diversas atividades durante a 15ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) que, este ano, teve como tema “Ciência para Redução das Desigualdades”. Entre os dias 17 e 19 de outubro, aproximadamente 300 estudantes do ensino médio e fundamental participaram de palestras e oficinas e exposições, jogos de realidade virtual, aprenderam sobre doenças e a arte do grafite a partir de temas científicos, além de tour pelas dependências da instituição.

O objetivo foi fomentar o conhecimento sobre a importância da ciência na redução das desigualdades, especialmente na saúde. A professora da Escola Maanaim, Jamile Matos, avaliou como importante as exposições científicas para que os estudantes descobrissem campos novos da ciência. “É extremamente importante que eles adquiram cada vez mais conhecimento, se familiarizem e sejam atraídos para esses eventos de conhecimento científico”, apontou.

No primeiro dia, os estudantes conheceram a Plataforma de Microscopia Eletrônica e assistiram a palestra sobre o vírus HPV apresentada pela pesquisadora externa Claudia Lemos, enfermeira e especialista em Segurança e Saúde do Trabalho pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA). Também participaram de mostra de vídeos sobre saúde e da imersão em realidade virtual sobre o corpo humano e o espaço. O evento contou ainda com exposições entomológica com mais de 200 insetos. Nos microscópios, os jovens puderam visualizar as características dos microrganismos. Um ponto especial foi a experimentação com grafite, sob orientação do artista plástico e grafiteiro Samuel Silva (Samuca), que assinou também a identidade visual do evento no IGM.

Na abertura oficial, a Vice-diretora de Pesquisa da Fiocruz Bahia, Camila Indiani, apresentou a instituição ao público. Também estiveram presentes a Vice-diretora de Ensino da Fiocruz Bahia, Patrícia Veras, e a coordenadora de Ensino, Clara Mutti. Em seguida, foi iniciado o CineDebate, com a exibição de quatro curtas sobre Desigualdade e Diversidade de Gênero. A discussão, realizada em seguida, foi conduzida pelas Relações Públicas e Integrante da Rede Internacional de Direitos Humanos, Elizabeth Dantas, e pela Publicitária e gestora na Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres da Bahia, Kátia Santos.

Outro destaque foi a participação dos alunos em oficinas que abordaram o tema do evento e a apresentação do projeto da empresa Junior “Eleva” dos estudantes do curso de graduação em Biotecnologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bruno Cova, professor da Escola Parque Salvador, que ministrou uma das oficinas, disse que o tema da SNCT foi bastante oportuno. “Inicialmente, trabalhamos trazendo essa relação entre saúde e iniquidades, e depois os estudantes tiveram contato com o tema das doenças infecciosas, relacionadas a desigualdades sociais. Eles tiveram como desafio proposição de estratégias de controle dessas doenças e determinação de áreas prioritárias”, explicou.

A coordenadora do Colégio Estadual Manoel Vitorino Manoel, Tânia Gouveia, frisou o interesse dos alunos nas ações do IGM na SNCT 2018. “Foi muito bom e interessante o trabalho, até por ser uma atividade fora da rotina deles”. A estudante Luana de Jesus Cerqueira, 14 anos, também gostou das atividades: “as oficinas foram bem legais. Através da Realidade Virtual, viajei pelo corpo humano, gostei muito”, contou.

A Sessão Científica que acontece às sextas-feiras também fez parte da programação. O pesquisador do Instituto René Rachou (Fiocruz Minas), Romulo Paes, ministrou a palestra, intitulada “Políticas públicas e desigualdade em saúde: desafios do século XXI”, e apresentou dados socioeconômicos atualizados e explicou conceitos para que os estudantes fossem capazes de realizar uma análise crítica da realidade baseada em informações.

A SNCT é iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC). As ações realizadas na Fiocruz Bahia contaram com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz da Bahia (ASFOC-BA).

Confira as fotos:

twitterFacebookmail

Aberto processo de credenciamento e recredenciamento de docentes para Pós-graduação em Patologia

O Programa de Pós-graduação em Patologia (PGPAT) iniciou o Processo de Recredenciamento e Credenciamento de docentes para o quadriênio 2018-2021, alinhado aos critérios descritos no documento da área de Medicina II-CAPES, que podem ser consultados, na íntegra, através deste link. As inscrições encerram no dia 03 de novembro de 2018.

Novos docentes e os atuais docentes (permanentes e colaboradores) deverão solicitar, obrigatoriamente, o credenciamento/recredenciamento no PGPAT e, para isso, devem preencher o Formulário Eletrônico disponível aqui. Sugere-se que as informações descritivas sejam preenchidas através do programa Word e copiadas diretamente no Formulário Eletrônico, nos campos indicados.

Apenas para os casos de recredenciamento, os docentes receberão a Planilha com a sua respectiva produção acadêmica (Artigos Científicos) do quadriênio 2015-2018. Novos pleiteantes deverão preencher a Planilha (disponível aqui), indicando a sua respectiva produção acadêmica do quadriênio 2015-2018 e enviá-las para credenciamento.pgpat2018@gmail.com. 

Toda a documentação (Formulário eletrônico e Planilhas) serão recebidos, impreterivelmente, até o dia 03 de novembro de 2018. A coordenação do curso orienta ainda que os docentes atualizem os respectivos currículos na Plataforma Lattes e informa que os mesmos serão utilizados para avaliação pela Comissão Ad Hoc de Credenciamento/Recredenciamento.

Todo o procedimento será realizado conforme a Resolução PGPAT no 001/2018, de 22 de outubro de 2018, que estabelece critérios para o que estabelece normas para credenciamento de docentes permanentes e colaboradores. A resolução está em conformidade com a Portaria da CAPES No. 81, de 3 de junho de 2016 e com base no Documento de Área da Medicina II, que define os critérios de avaliação dos Programas pela CAPES, incluindo a atuação dos docentes nos programas de pós-graduação, bem como as ações norteadoras discutidas na última reunião de áreas de Medicina I, II e III, realizada em Curitiba, no período de 08 a 10 de outubro de 2018 e conforme a Resolução PGPAT no 001/2018, de 22 de outubro de 2018, que pode ser acessada aqui.

O PGPAT (Nível 6- CAPES) está vinculado ao Departamento de Patologia e Medicina Legal da Faculdade de Medicina da Bahia (UFBA) e, desde de 1981, o Programa funciona em regime de ampla associação com Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia). O programa oferece duas áreas de concentração: Patologia Humana e Patologia Experimental, com forte ênfase e tradição em linhas de pesquisa que envolvem patologia e imunopatologia de doenças infecciosas e parasitárias. Mais recentemente e, em consonância com a transição epidemiológica no cenário da saúde, foram fortalecidas outras linhas de pesquisa que compreendem o estudo de biomarcadores, busca de agentes anti-câncer e patogênese de neoplasias malignas, doenças crônico-degenerativas e outras doenças genéticas, como as hemoglobinopatias.

Cronograma

Inscrições 22/10 à 03/11/2018
Período de avaliação 07/11 à 09/11/2018
Reunião do Colegiado para Homologação 12/11/2018
Divulgação do Resultado 13/11/2018
twitterFacebookmail

Inscrições abertas para o curso de Revisão Sistemática

A Biblioteca da Fiocruz Bahia, através do Programa de Treinamentos Continuados, está promovendo o curso de Revisão Sistemática. A atividade acontecerá no dia 25 de outubro, na Sala de Aula I da Biblioteca, das 14h às 17h.

As inscrições podem ser realizadas clicando aqui, até as 12h do dia do curso. As vagas são limitadas.

O curso permitirá aos participantes conhecer o que é uma revisão sistemática e para que serve, além de entender suas principais etapas de elaboração com ênfase na busca e identificação de estudos primários para a revisão. Serão apresentados recursos e fontes de pesquisa úteis e as ferramentas necessárias para sua confecção. 

twitterFacebookmail

Diretora e pesquisadora da Fiocruz Bahia apresenta colóquio sobre doença falciforme

A diretora da Fiocruz Bahia, Marilda de Souza Gonçalves, participou dos Colóquios Fiocruz, uma série de vídeos produzidas pela Fiocruz para a Semana Nacional da Ciência e Tecnologia 2018, que acontece entre os dias 16 a 20 de outubro. Contextualizada no tema do evento “Ciência para Redução das Desigualdades”, a apresentação da pesquisadora abordou a doença falciforme.

Também participaram dos colóquios Paulo Buss – diretor do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fiocruz, Ricardo Ventura – pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública, Roseli Rocha – assistente social do Instituto Fernando Filgueiras e Socorro Souza – pesquisadora da Fiocruz Brasília.

Confira:

twitterFacebookmail

Pesquisador da Fiocruz Bahia recebe título da Ordem Nacional de Mérito Científico

Texto e fotos por Nathállia Gameiro

Os pesquisadores Celina Turchi (Fiocruz Pernambuco), Manoel Barral Netto (VPEIC e UNA-SUS) e Samuel Goldenberg (Fiocruz Paraná) receberam insígnias e diplomas da Ordem Nacional do Mérito Científico em cerimônia realizada na tarde desta quarta-feira, 17 de outubro, no Palácio do Planalto, em Brasília. A pesquisadora Antoniana Krettli (Fiocruz Minas) também foi condecorada.

O título é concedido a personalidades nacionais e estrangeiras que contribuíram e contribuem para a ciência e a tecnologia e se destacaram por sua atuação profissional. Ao todo, 85 profissionais da ciência, tecnologia e inovação foram condecorados, entre pesquisadores, professores, dirigentes de entidades e personalidades. A Fiocruz foi uma das instituições com mais agraciados. 

“As contribuições são de enorme importância para o país e reconhecer seus trabalhos é uma iniciativa que valoriza e promove a atividade científica. Hoje foram homenageados brasileiros ilustres que deram parte da sua vida em favor do desenvolvimento de bons projetos e boas ideias”, afirmou o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, o vice-presidente de Gestão e Desenvolvimento Institucional, Mario Santos Moreira, a diretora da Fiocruz Brasília, Fabiana Damásio, e a diretora da Fiocruz Bahia, Marilda de Souza Gonçalves, estiveram presentes na solenidade. As condecorações foram entregues pelo presidente da República, Michel Temer, e por ministros de estado. 

O título é concedido em duas categorias: Grã-Cruz e Comendador. Os candidatos são indicados por instituições ligadas à ciência e avaliados por uma comissão técnica, formada por nove representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Confira as fotos da cerimônia.

A premiação da Ordem Nacional de Mérito Científico está sendo retomada depois de cinco anos. Foram escolhidos cientistas com contribuição relevante nas áreas de ciências biológicas, físicas, da terra, agrárias, sociais, humanas, tecnológicas, química, matemática e engenharias. A categoria de personalidades nacionais ou estrangeiras é destinada a pessoas que não são cientistas que contribuíram para o desenvolvimento da ciência e tecnologia.

Perfil
Antoniana Krettli foi promovida de Comendador para Grã-Cruz, na categoria Ciências Biomédicas. A pesquisadora atua no Laboratório de Malária Experimental e Humana do Instituto René Rachou (IRR/Fiocruz Minas). Tem se dedicado aos testes de medicamentos e estudos sobre plantas medicinais relacionadas ao combate à doença e a estudos sobre a resposta imune na doença de Chagas.  Antoniana é graduada em Farmácia e Medicina, com mestrado e doutorado em parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Fez pós-doutorado no Instituto Pasteur, Paris, com bolsa da Organização Mundial da Saúde (OMS) e Especialização no Centro de Imunologia da Universidade de Lousane (Suíça). Foi a primeira presidente mulher da Sociedade Brasileira de Imunologia, em 1987, e é membro titular da Academia Brasileira de Ciências e consultora da Organização Mundial de Saúde no comitê “Research and Strengthening Group” desde 1992. Recebeu diversos prêmios e medalhas de honra de sociedades científicas, como a placa Women in Science Senior Award-I Edition of the Award e Honra ao Mérito Científico do Governo Federal e do Estado de Minas Gerais. 

 

Celina recebeu o título de Comendador pelo estudo que relaciona a zika com a microcefalia. Para a pesquisadora, a Fiocruz é uma instituição que agrega diversos cientistas, dá espaço e tem a perspectiva de montagem de redes de pesquisa e projetos interinstitucionais, que facilitam e avançam na produção de conhecimento, principalmente em momentos de emergência e de crise. “É uma instituição enérgica e proativa em resolver problemas de saúde pública, que tem essa visão de produção de conhecimento para redução de desigualdades, por isso merece continuidade. Fui acolhida pela Fiocruz Pernambuco, à sou muito grata, e estou representando as redes de pesquisadores”, completou.

Celina Turchi coordena o Grupo de Pesquisa de Epidemia da Microcefalia, em Recife (PE), com projetos de pesquisa na área de infecção pelo vírus Zika. A pesquisadora entrou para a história da medicina brasileira e acumula grandes conquistas em seu currículo. Em 2016, entrou na lista das dez mais importantes cientistas pela revista Nature e no ano seguinte foi eleita como uma das cem pessoas mais influentes do mundo pela revista Time. Recebeu outros prêmios como o Péter Murányi 2018, edição Saúde, o prêmio Faz Diferença do jornal O Globo, a Medalha Mietta Santiago, concedida pela Secretaria da Mulher e pelo Presidente da Câmara dos Deputados, além da concessão de professora emérita da Universidade Federal de Goiás e do Título de Cidadã de Pernambuco.

Manoel Barral Netto foi promovido de Comendador para Grã-Cruz, na categoria Ciências Biomédicas. Para ele, o agraciamento é um reconhecimento do trabalho que envolve fazer pesquisa e trabalhar na gestão de pesquisa. “A Fiocruz, entre os agraciados, teve um número importante de participações, um título de comendador e três Grã-cruz. Foi uma das instituições que mais teve representação na solenidade. Ninguém trabalha em pesquisa fora de uma instituição. Além de um reconhecimento de mérito, é um reconhecimento institucional”, afirmou.

Manoel Barral é membro da Sociedade Brasileira de Imunologia, sendo seu atual presidente, e membro da American Society of Tropical Medicine and Hygiene. É consultor do CNPq e da Finep e membro do Comitê Assessor da Capes para as áreas de Imunologia, Parasitologia e Microbiologia. Foi diretor do Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia) e é vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz e secretário executivo da Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS). Recebeu um dos prêmios Unesco-Guiné Equatorial de Pesquisa em Ciências da Vida 2015 pelos trabalhos sobre a leishmaniose e a malária.

O pesquisador atuou também na Universidade Federal da Bahia, como Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação e diretor da Faculdade de Medicina da Bahia. Consolidou a formação de um grupo de pesquisa sobre a imunorregulação das infecções experimentais e humanas por parasitas do gênero Leishmania, estudou e publicou trabalhos também na área de toxicologia e imunologia de venenos. Uma colaboração com a Universidade Cornell deu origem a uma série de trabalhos fundamentais em imunologia das leishmanioses humanas, publicados em jornais e revistas internacionais. Estes estudos transformaram o grupo de imunologia de leishmanioses da UFBA num dos principais centros de pesquisa mundial no tema. 

 

Samuel Goldenberg também foi agraciado com o título Grã-Cruz. Para ele, a importância do prêmio é o reconhecimento do trabalho que tem sido feito há 35 anos em prol da ciência e da saúde do Brasil. “O título mostra a qualidade do trabalho feito e a importância da Fiocruz, visto por outros avaliadores da atividade científica. Fico muito feliz porque é o reconhecimento do trabalho. Apesar de todas as dificuldades que temos, de todos os empecilhos que encontramos no dia a dia para fazer ciência no Brasil, ainda é possível fazer”, completou.

Samuel é pesquisador do Instituto Carlos Chagas (ICC/Fiocruz Paraná). Graduado e mestre em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília, contribuiu também para o estudo de genes do protozoário Trypanosoma cruzi, que levou ao desenvolvimento de um kit de diagnóstico para doença de Chagas. Este kit foi considerado como de excelência pela Organização Mundial da Saúde e resultou na primeira patente internacional da Fiocruz e na outorga do Prêmio Governador do Estado Invento Brasileiro em 1993. Goldenberg participou do desenvolvimento do primeiro micro-array (biochip) contendo genes do T. cruzi, abrindo um importante caminho para os estudos de genômica funcional deste parasita. 

Foi coordenador da implantação da Fiocruz no Paraná, diretor do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) e diretor do Instituto Carlos Chagas.  Foi presidente da Sociedade Brasileira de Protozoologia e da Sociedade Brasileira de Genética. Tem uma vida acadêmica extensa, formando 19 doutores. Foi citado em artigos mais de 4600 vezes, tem 144 artigos publicados e sete capítulos de livros. O biólogo recebeu o prêmio Almirante Álvaro Alberto e a Medalha Samuel Pessoa da Sociedade Brasileira de Protozoologia (SBPz). Foi agraciado com duas Ordens Nacionais do Mérito, na classe Comendador: Científico e Médico. É membro Titular da Academia Brasileira de Ciências e coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) para Diagnóstico em Saúde Pública.

twitterFacebookmail

Impacto da Vacina Meningocócica C Conjugada é analisado em dissertação

AUTORIA: Nabila Monalisa Mendes Dantas Sales
ORIENTAÇÃO: Joice Neves Reis Pedreira
TÍTULO DA DISSERTAÇÃO: “Perfil Epidemiológico da doença meningocócica na região metropolitana de Salvador no período pós-vacinal”.
PROGRAMA:  Pós-Graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa
DATA DE DEFESA: 19/10/2018

RESUMO

Introdução: O termo doença meningocócica (DM) designa as diferentes apresentações clínicas de infecções causadas por Neisseria meningitidis, sendo a meningite a principal delas. A DM está associada a elevada morbimortalidade e é considerada um grave problema de Saúde Pública em todo o mundo. A Vacina Meningocócica C Conjugada (MenC) foi incluída no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 2010 para imunoprevenção da DM pelo meningococo do sorogrupo C (DMC). Estudos de vigilância epidemiológica vêm sendo desenvolvidos para avaliação das estratégias vacinais adotadas.

Objetivos: Avaliar o impacto da MenC na epidemiologia da DM na Região Metropolitana de Salvador (RMS), seis anos após sua introdução no calendário de vacinação do PNI.

Metodologia: Estudo observacional, retrospectivo, realizado a partir de uma vigilância de base hospitalar. Os critérios de inclusão foram: casos de DM confirmados através de técnicas microbiológicas clássicas (cultura, bacterioscopia, aglutinação em látex) ou da técnica de PCR em Tempo Real (PCR-TR); atendidos no hospital de referência para doenças infectocontagiosas no estado da Bahia (HCM) ou notificados pela Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, entre janeiro de 2010 e dezembro de 2016. Foram calculadas taxas de incidência e letalidade, traçado o perfil clínico-epidemiológico dos casos e analisada a ocorrência dos tipos capsulares.

Resultados: A taxa de incidência de DMC na população geral caiu de 3,33 no período de transição (2010) para uma média anual de 0,88 casos/100.000hab. no período pós-vacinal (2011-2016), representando uma redução de 73,6%. Houve redução da DMC em todas as faixas etárias, inclusive entre os não vacinados. O índice de letalidade geral foi de 14,7%. Os testes diagnósticos clássicos (principalmente a cultura) tiveram seu desempenho comprometido pelo frequente início da antibioticoterapia antes da coleta de LCR no HCM. O emprego da PCR-TR a partir do LCR conseguiu identificar 180/634 (28,4%) casos adicionais. O tipo capsular mais prevalente foi o C (61,8%), seguido pelo B (6,9%), W (2,9%), Y (1,3%) e A (1,1%); 26,0% foram de tipo capsular não determinado/não testado.

Conclusões: A adoção da MenC teve impacto positivo no controle da DM na RMS. A redução da incidência de DMC além da faixa etária vacinal pode ser reflexo da imunização de adolescentes e adultos jovens realizada em Salvador em 2010. A PCR-TR conseguiu melhorar os índices diagnósticos da DM; a disseminação desta técnica deve reduzir o percentual de casos de etiologia não confirmada e otimizar a caracterização microbiológica do meningococo. O perfil microbiológico da doença é dinâmico e interfere diretamente na epidemiologia desse agravo; por esse motivo, estudos de vigilância são indispensáveis para subsidiar e avaliar continuamente as estratégias vacinais implementadas.

Palavras-chave: Epidemiologia. Doença Meningocócica. Vacina Meningocócica C Conjugada. PCR em Tempo Real.

twitterFacebookmail

Fiocruz abre inscrições para estágio não obrigatório 2018.2

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) abriu as inscrições para a seleção de estagiários de níveis superior para fins de estágio não obrigatório. Os candidatos têm até o dia 28 de outubro para se inscrever na página do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE). O estagiário deve ter disponibilidade para 30 horas semanais e receberá bolsa no valor de 520,00 reais mais auxílio transporte. Os requisitos para seleção e outras informações estão disponíveis no edital e seus anexos. A inscrição é gratuita.

Clique aqui e acesse o Edital 2018.2
Clique aqui e acesse os anexos.

Vagas disponíveis na Bahia:

  • Administração – 1 vaga;
  • Administração ou Gestão de Pessoas – 1 vaga;
  • Administração, Contabilidade ou Economia – 1 vaga;
  • Biblioteconomia ou Arquivologia – 1 vaga;
  • Psicologia – 1 vaga;
  • Sistemas de Informação, Ciência da Computação, Engenharia da Computação, Análise e Desenvolvimento de Sistemas ou Sistemas para Internet – 2 vagas.
twitterFacebookmail

Fiocruz Bahia promove ações na 15ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Com o tema “Ciência para a Redução das Desigualdades”, a Fiocruz Bahia participará, nos dias 17 a 19 de outubro, da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2018 (SNCT). O objetivo das atividades é fomentar o senso crítico sobre a importância da Ciência na redução das desigualdades, especialmente em saúde, para mais de 100 estudantes de escolas públicas e privadas localizadas entorno do instituto. A SNCT é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e o evento está sendo realizado pela Fiocruz com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e do Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz – Asfoc Ba.

A programação contará com atividades voltadas a estudantes do ensino médio e fundamental, como exposições de painéis de grafite, instalação fotográfica, imersão em Realidade Virtual (VR) e visita guiada na instituição, além de oficinas educativas e exibição de vídeos sobre os temas de desigualdades sociais e saúde.

No último dia, serão apresentados os trabalhos das oficinas dos dias anteriores. Estudantes da Pós-Graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa da Fiocruz Bahia também apresentarão os projetos de extensão da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Empresa Júnior de Biotecnologia Eleva.

Outro destaque será a exibição de curta metragens com o tema “Desigualdade e Diversidade de Gênero”, seguida de debate com a publicitária Kátia Santos, da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM-BA), e Beth Dantas, Relações Públicas e integrante da rede Internacional de Direitos Humanos.

 

twitterFacebookmail

Estudo avalia níveis séricos de anticorpos para o diagnóstico de tuberculose

Estima-se que, por ano, a infecção por tuberculose (assintomática) acometa um terço da população mundial e a doença leve a óbito cerca de 2 milhões de pessoas. O diagnóstico precoce e tratamento adequado para tuberculose pulmonar são considerados essenciais para a redução da transmissão do Mycobacterium tuberculosis, bactéria que causa a doença.

O desenvolvimento de uma reação em cadeia da polimerase, que possibilita ampliar repetidamente um segmento específico de DNA do bacilo em tempo real, tem sido o avanço mais importante no diagnóstico de tuberculose nos últimos anos. No entanto, a necessidade de infraestrutura de laboratório sofisticado e técnicos qualificados continua a ser uma grande barreira para a introdução do teste em países de baixa e média renda. Além disso, o teste não elimina a necessidade de testes convencionais, que são necessários para monitorar a resposta ao tratamento e estado de recaída.

Uma alternativa para os métodos tradicionais são os testes sorológicos, que são simples, econômicos e minimamente invasivos. O pesquisador da Fiocruz Bahia, Sérgio Arruda, liderou um estudo que avaliou a resposta dos anticorpos de IgM e IgG total contra antígenos, como cardiolipina, os fosfatidilinositol, fosfatidilcolina, fosfatidiletanolamina e o sulfatide como candidatos a biomarcadores da doença tuberculosa.

Anticorpos antifosfolipídios são anticorpos que têm como alvos fosfolipídios de membrana celular e/ou proteínas combinadas a fosfolipídios. O artigo foi publicado no The International Journal of Tuberculosis and Lung Disease, com o título “Serum antiphospholipid antibody levels as biomarkers for diagnosis of pulmonary tuberculosis patients”.

Neste artigo avaliou-se 48 participantes, divididos entre pacientes com tuberculose, com outras doenças pulmonares e saudáveis, como grupos de indivíduos controles. Os 19 pacientes com tuberculose foram selecionados baseados em exames, como raio-x torácico e exame do escarro.

Os mesmos exames foram aplicados em 13 indivíduos do grupo de controle e com outras doenças pulmonares: cinco com pneumonia bacteriana, dois com câncer de pulmão, um com asma brônquica e os cinco restantes com outras infecções pulmonares. Os 16 participantes restantes foram selecionados de indivíduos saudáveis, sem infecção tuberculosa ou outras doenças que acometiam os pulmões.

Pacientes que tiveram um diagnóstico confirmado de tuberculose receberam o tratamento recomendado pelo Ministério da Saúde e amostras sorológicas foram coletadas no início do estudo, bem como em dois e seis meses após o início do tratamento.

Resultados

Foram avaliados os resultados dos exames IgG e IgM totais específicos para os antígenos em pacientes com tuberculose em sua primeira visita ao ambulatório antes do tratamento. Resposta de IgM a cardiolipina, fosfatidiletanolamina e fosfatidilinositol foi consistentemente maior nos pacientes com tuberculose do que nos grupos de controle. Não houve diferença nos números da fosfatidilcolina e sulfatide.

Os pesquisadores observaram que os níveis de anticorpos antifosfolipídios, principalmente anti-cardiopilina, anti-fosfatidiletanolamina, anti-fosfatidilinositol e anti-fosfatidilcolina, foram mais altos em jovens adultos com tuberculose que nos adultos dos grupos de controle. O teste IgC tiveram performances melhores, uma vez que a prevalência de pacientes com tuberculose detectados usando esse teste era maior do que utilizando o teste (86,5% cardiopilina e 81,1% fosfatidilinositol) de esfregaço de expectoração (64,9%).

Dessa forma, o uso do teste IgG para anticorpos antifosfolipídios pode ser útil para complementar testes bacteriológicos convencionais para diagnóstico rápido e na discriminação de tuberculose de outras doenças em pacientes com sintomatologia semelhante, apesar da inespecífica natureza das respostas IgM e IgG anti cardiopilina. Elisa para IgG anti cardiolipina teve alta especificidade para tuberculose se comparado a outras doenças pulmonares.

A Organização Mundial da Saúde não recomenda testes sorológicos para o diagnóstico de tuberculose pois a resposta dos anticorpos ao M. tuberculosis em infecção crônica é altamente complexa e variável. O presente estudo com base em Elisa contra fosfolipídios revela um potencial como um teste rápido de triagem para diferenciação da tuberculose das doenças não pulmonares.

twitterFacebookmail