Diferentes testes na urina para diagnóstico de lesão renal aguda são analisados em tese

AUTORA: Maria Brandão Tavares
ORIENTADOR: Washington Luiz Conrado dos Santos
TÍTULO DA TESE: “Marcadores Biológicos para necrose tubular aguda em pacientes com doença glomerular”
PROGRAMA: Mestrado em Patologia Humana- Fiocruz Bahia
DATA DE DEFESA: 07/04/2017

 

RESUMO

 

A lesão renal aguda (LRA) é uma complicação frequente em pacientes com glomerulopatias, acometendo até 34% dos adultos com síndrome nefrótica (SNO) idiopática. O diagnóstico diferencial de necrose tubular aguda (NTA) de glomeulonefrite proliferativa ou crescêntica em pacientes com SNO e LRA é fundamental, visto que a NTA pode mimetizar quadro de glomerulonefrite rapidamente progressiva. Dados clínicos e laboratoriais podem ser úteis no diagnóstico diferencial da LRA na SNO, entretanto a distinção entre NTA e glomerulonefrite proliferativa ou crescêntica é feito pela biópsia renal, procedimento invasivo e que não está disponível amplamente. Novos  biomarcadores para diagnóstico precoce e preditores diagnósticos na LRA têm sido identificados. Neste trabalho nós avaliamos o uso de testes baseados nas concentrações urinárias de kidney injury molecule-1 (KIM-1), neutrophil gelatinase-associated lipocalin NGAL, interleukin-18 (IL-18) e β2-microglobulin (β2M) para diagnóstico diferencial de LRA em pacientes com síndrome nefrótica e examinamos a associação das concentrações urinárias destes marcadores com lesão histológica consistente com NTA ou lesões glomerulares proliferativas. Adicionalmente, estudamos as diferenças na expressão de proteínas na urina de pacientes com síndrome nefrótica, com e sem necrose tubular aguda estabelecida histologicamente, por meio de eletroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) que poderia ser útil na identificação de novos marcadores para LRA. Foram coletadas amostras de urina de 40 pacientes submetidos à biópsia renal para fins de diagnósticos e encaminhadas para o CPQGM-FIOCRUZ. Os pacientes foram divididos em 3 grupos de acordo com a presença ou ausência de NTA histologicamente definida; e presença de glomerulonefrite proliferativa: grupo CON sem necrose tubular ou lesão prolifertiva glomerular (n=17), grupo GNTA com necrose tubular e sem proliferacao glomerular (n=14), e grupo GNP com lesão proliferativa glomerular incluindo crescentes (n=9). LRA foi definida utilizando os critérios KDIGO. Foi coletada amostra de urina previamente à realização da biópsia renal, centrifugada a 2000 xg a 4°C e o sobrenadante armazenado a -80°C em alíquotas de 1 ml. As mensurações das concentrações dos biomarcadores foram realizadas utilizando imunoensaio enzimático (ELISA). A extração de proteína urinária foi realizada pelo método de precipitação da acetona. As concentrações proteínas das amostras foram dosadas pelo método do ácido bicicrônico (Micro BCA) e Bradford. As amostras de proteína (50μg) foram analisadas em SDS-PAGE  a 15% na presença de dodecil sulfato de sódio. Resultados: A média de idade foi de 35 ± 16 anos,  22 (55%) eram mulheres, os  principiais diagnósticos foram  GESF (10, 25%), glemorulonefrite membranosa (10, 25%), Lesão Mínima (LM) (7, 18%), nefrite lúpica (6, 15%) e glomerulonefrite proliferativa (3, 8%). Os pacientes com NTA tiveram maiores concentrações urinárias de KIM-1 (P = 0.016), NGAL (P = 0.023) e β2M (P = 0.017) em comparação aos pacientes sem NTA. As concentrações urinárias de KIM-1 (P= 0.009) e NGAL (P= 0.002) também foram maiores nos pacientes com LRA comparado aos paciente sem LRA. As dosagens de NGAL (P= 0.034) e KIM-1 (P=0.024) urinários foram significamente maiores nos pacientes com NTA sem lesão glomerular proliferativa em comparaçao aos pacientes com glomerulonefrites proliferativas. Na análise das proteínas em SDS-PAGE, observamos a expressão de banda proteica com peso molecular 35 KDa apenas  nos pacientes do grupo 1 (pacientes sem proliferacao glomerular ou lesao tubular). Conclusão: As concentrações urinárias de KIM-1 e NGAL foram capazes de distinguir pacientes com e sem LRA, mesmo na presença de síndrome nefrótica; e as dosagens de NGAL e KIM-1 urinárias podem ser úteis no diagnóstico diferencial entre NTA e glomerulonefrite proliferativa em pacientes com síndrome nefrótica. A presença de lesão proliferativa glomerular ou necrose tubular aguda resulta no desaparecimento de uma fração protéica de 35 kDa, e a lesão proliferativa, em redução na expressão protéica de fração de 28 kDa da urina de pacientes com síndrome nefrótica. O estudo dessas frações protéicas pode contribuir para novas estratégias no diagnóstico diferencial da LRA em pacientes com síndrome nefrótica.

twitterFacebookmail

Curso de Patente como Fonte de Informação Tecnológica abre as inscrições

curso nitEntre os dias 25 e 27 de abril, será realizado, na Fiocruz Bahia, o curso Patente como Fonte de Informação Tecnológica, uma ferramenta indispensável à atuação de pesquisadores, coordenadores e gestores de projetos e programas em Propriedade Industrial, com ênfase em patente e em busca online. As inscrições estão abertas e encerram no dia 19 de abril, devendo ser realizadas através de formulário disponível no hotsite do evento.

O curso será ministrado em um total de 20 horas, organizado em três dias. Serão oferecidas 50 vagas para a aula teórica e 20 para as aulas práticas, podendo esta última ser ampliada o número de vagas, caso o participante disponha de notebook para uso durante as atividades.

Este curso é uma das ações da GESTEC na implementação da Política Institucional de Gestão Tecnológica e da Inovação na Fiocruz, ao viabilizar o uso sistemático de base de dados de patentes para a preparação, aprovação, execução e finalização de projetos e prosseguimento de programas de pesquisa pelas unidades técnico-científicas da Instituição. O evento contribui para o cumprimento das diretrizes da Política Institucional Tecnológica da Fiocruz e atende às chamadas do CNPq, que incluem a Pesquisa em Bases de Propriedade Intelectual no roteiro das propostas a serem apresentadas.

Para mais informações acesse o site do curso.

twitterFacebookmail

Níveis circulantes de Resolvina D1 em pacientes com leishmaniose são avaliadas em dissertação

AUTORA: Hayna Malta Santos
ORIENTADORA: Valéria de Matos Borges
TÍTULO DA TESE: “Importância das Resolvinas na infecção por Leishmania amazonensis
PROGRAMA: Mestrado em Patologia Humana- Fiocruz Bahia
DATA DE DEFESA: 20/03/2017

RESUMO

 

A Leishmaniose Cutânea Difusa (LCD) é uma manifestação clínica rara causada pela Leishmania amazonensis que é caracterizada por uma resposta celular parasitária ineficiente e macrófagos intensamente parasitados nas lesões cutâneas. Eicosanoides e seus precursores desempenham um papel crucial durante a infecção por Leishmania. Estudos prévios demonstram que pacientes com leishmaniose tegumentar, exibem um distinto balanço de eicosanoides in situ e sistêmico. Recentemente, demonstrou-se que mediadores lipídicos especializados na pró-resolução desempenham um papel crítico na redução de processos inflamatórios patológicos induzindo a restauração da homeostasia em diferentes modelos experimentais. Entre esses mediadores, as resolvinas da série D exibem potente atividade anti-inflamatória e imuno-regulatória que inclui a inibição da quimiotaxia leucocitária e bloqueio na produção de citocinas pró-inflamatórias. No entanto, ainda é desconhecido se as resolvinas desempenham um papel significativo no estabelecimento e persistência da infecção por Leishmania. Nesse estudo, avaliamos os níveis circulantes de Resolvina D1 (RvD1) em pacientes com leishmaniose tegumentar apresentando a forma clínica cutânea localizada (LCL) ou difusa. Nossos resultados demonstram que pacientes com LCD apresentam maiores níveis plasmáticos de RvD1 quando comparados a LCL ou controles endêmicos. Além disso, os níveis séricos de RvD1 em pacientes com LCD se correlacionam positivamente com a Arginase I e TGF- β,  enquanto  que  inversamente  com  os  níveis  sistêmicos  de  TNF-α.  Experimentos adicionais in vitro utilizando macrófagos humanos revelaram que a RvD1 promove a replicação intracelular da L. amazonensis por um mecanismo associado a indução da enzima heme oxigenase-1. Esses resultados sugerem que a via de produção da RvD1 pode servir como uma potencial estratégia terapêutica para os pacientes com LCD.

twitterFacebookmail

Efeitos do transplante de células de medula óssea na neuropatia periférica são avaliados em dissertação

AUTORA: Anna Lethícia Lima Oliveira
ORIENTADORA: Cristiane Flora Villarreal
TÍTULO DA TESE: “Efeitos do tratamento com células mesenquimais de medula óssea sobre a neuropatia crônica induzida por oxaliplatina em camundongos”
PROGRAMA: Mestrado em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa- Fiocruz Bahia
DATA DE DEFESA: 22/02/2017

RESUMO

INTRODUÇÃO: A neuropatia periférica é um efeito adverso comum de diversas drogas antitumorais, incluindo os complexos platinos. A oxaliplatina (OXL) é um fármaco de terceira geração amplamente usado no combate ao câncer colorretal metastático, ovariano e outras malignidades. Quando comparado a outros análogos platinos apresenta menor toxicidade sistêmica mas acentuada neurotoxicidade. A neuropatia periférica associada à OXL é um fator dose limitante do tratamento quimioterápico que se manifesta como alterações de sensibilidade e dor, e pode perdurar mesmo após descontinuidade do tratamento em sua forma crônica. A neuropatia induzida por quimioterápico tem sido considerada uma das mais refratárias à medicação. A gabapentina, apesar de representar opção farmacológica frequente no controle clínico da neuropatia tem mostrado efeito apenas paliativo, transitório e de baixa efetividade. A terapia celular é considerada uma promessa na terapêutica de doenças neurológicas. Estudos iniciais demonstraram que células mesenquimais reduzem a neuropatia comportamental em modelos experimentais. Entretanto, até o presente momento, os efeitos de células-tronco na neuropatia quimioterápica não foram ainda investigados. OBJETIVO: O presente trabalho visa avaliar os efeitos do transplante de células mesenquimais de medula óssea (CMsMO) na neuropatia periférica crônica induzida por OXL em camundongos. MÉTODOS: CMsMO foram obtidas a partir de camundongos  EGFP e foram caracterizadas por citometria de fluxo e diferenciação celular. Camundongos C57Bl/l6 machos foram submetidos à indução do modelo de neuropatia crônica pela administração endovenosa de OXL (1 mg/kg), durante quatro semanas e meia, totalizando nove administrações. Os camundongos do grupo controle receberam dextrose a 5% (veículo). Uma semana após o fim da indução do modelo, os animais foram tratados com uma única administração endovenosa de CMsMO (1×106) ou veículo. Gabapentina (70 mg/kg, 12/12h por 6 dias consecutivos, via oral), foi utilizada como tratamento farmacológico de referência. Os limiares nociceptivos mecânico e térmico foram avaliados durante todo o período experimental com filamentos de von Frey e cold plate, respectivamente. Secções dos nervos isquiáticos foram coletados nos tempos de platô de analgesia e final (14 semanas) para análises morfológicas e morfométricas das fibras A e C por microscopia óptica e eletrônica, além da quantificação de nitrito e MDA como parâmetros bioquímicos de estresse oxidativo. RESULTADOS: O tratamento com OXL reduziu o limiar nociceptivo mecânico e térmico frio de modo duradouro, indicando sucesso na indução do modelo crônico de neuropatia por OXL em camundongos. As avaliações comportamentais sugerem que CMsMO produzem efeito antinociceptivo, levando os limiares nociceptivos de animais neuropáticos a níveis similares aos de animais saudáveis. O tratamento com gabapentina teve efeito antinociceptivo discreto e de curta duração. A avaliação microscópica revelou poucos vestígios de degeneração axonal em fibras de nervo isquiático de animais neuropáticos e as análises morfométricas mostraram que tais alterações não eram significantes. Por outro lado, a ocorrência de mitocôndrias atípicas em axônios mielinizados e fibras C de animais neuropáticos foi maior que em animais não neuropáticos. O tratamento com CMsMO reduziu a atipia mitocondrial e os níveis de nitrito e MDA nos nervos de animais com neuropatia para níveis estatisticamente similares ao dos não neuropáticos. CONCLUSÃO: O presente trabalho demonstra que uma única administração de CMsMO é capaz de reverter as alterações de sensibilidade, e reduzir a atipia mitocondrial e níveis de produtos de estresse oxidativo no nervo periférico, característicos da neuropatia crônica por OXL. Considerando os efeitos de CMsMO sobre as mitocôndrias e produtos oxidativos no nervo isquiático, o efeito antinociceptivo pode decorrer da melhora no ambiente homeostático oxidativo.

Palavras-Chave: neuropatia, quimioterapia, células-tronco, oxaliplatina, mitocôndrias, estresse oxidativo.

twitterFacebookmail

Abertas as inscrições para Pós-Doutorado em Patologia Humana

PgPAT posdoc 17

O Programa de Pós-Graduação em Patologia (PgPAT) está com as inscrições abertas para seleção de candidatos a Pós-Doutorado do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES). São 3 modalidades de público alvo: brasileiros e estrangeiros residentes no Brasil e portadores de visto temporário; estrangeiros residentes no exterior; e brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil, que atuem como docentes ou pesquisadores de Instituições de Ensino Superior ou instituições públicas.

As inscrições encerram no dia 10 de março. O candidato deve preencher a ficha de inscrição, que pode ser encontrada no site do curso, e submeter à secretaria do PgPAT, junto com documentação listada em edital. A divulgação do resultado está prevista para a partir de 20 de março e as atividades do curso têm início previsto para 01 de abril.

Para requisitos de candidatos, documentação e outras informações acesse o edital do programa.

twitterFacebookmail