LIGHT – Laboratório de Investigação em Genética e Hematologia Translacional

No Laboratório de Investigação em Genética e Hematologia Translacional (LIGHT), a pesquisadora Marilda de Souza Gonçalves coordena projetos de pesquisa que abordam linhas de pesquisa em hemoglobinopatias, com ênfase em doença falciforme. Entre os mecanismos fisiopatológicos da doença que o grupo liderado pela pesquisadora avalia estão: estudos relacionados ao estresse oxidativo; inflamação; epidemiologia molecular; avaliação de drogas  associadas ao tratamento da doença falciforme; ativação endotelial; biomarcadores do metabolismo lipídico; metabolismo do ferro e suas associações com inflamação; metabolismo de drogas e farmacocinética; estudo translacional de produtos inflamatórios; estudo genético associado a biomarcadores de evolução clínica, principalmente associados ao risco de acidente vascular cerebral (AVC) e vasculopatia, e estudos de instabilidade do RNA.

Além disso, Marilda Gonçalves também atua no estudo de anemias adquiridas, alterações moleculares associadas à saúde da mulher e do recém-nascido, incluindo estudos de tromboembolismo venoso em decorrência do uso de contraceptivos orais e suas alterações laboratoriais. Os grupos de pesquisa da Fiocruz e da Faculdade de Farmácia (UFBA) mantêm uma relação de parceria entre as técnicas desenvolvidas, os estudos realizados e, principalmente, os resultados obtidos.

A pesquisadora Dalila L. Zanette coordena projetos de pesquisa nos seguintes temas: investigação de mutações genéticas relacionadas ao prognóstico da síndrome mielodisplásica (SMD) com impacto na sobrevida global e na taxa de transformação para leucemia mielóide aguda; avaliação de mutações em genes relacionados com o reparo de lesões oxidativas ao DNA, tanto em SMD quanto em anemia falciforme; estudos de avaliação de miRNAs e fatores de transcrição influenciados pela hemólise e pelo estresse oxidativo, como o que ocorre na anemia falciforme.

As duas pesquisadoras desenvolvem projetos relevantes no âmbito das doenças hematológicas e seus aspectos genéticos e moleculares, que culminam na produção de publicações científicas. Existe uma constante interlocução entre as metodologias utilizadas nos projetos, o que proporciona capacitação técnica e auxilia na Formação acadêmica dos discentes envolvidos.

Pesquisa
Carolina neves dos santos rabeloDalila luciola zanette (Subchefe)
Estudantes
Antonio mateus de jesus oliveiraJeanne machado de santana
Jéssica cruz do amor salesJoelma santana dos santos neres
Sanzio silva santanaTiago santos carvalho da rocha

Telefone: +55 (71) 3176-2226
E-mail: lhgb@bahia.fiocruz.br

twitterFacebookmail

Doenças Genéticas

Doença genética é toda e qualquer doença não infecciosa e não contagiosa que afeta o material genético humano. Elas podem ser hereditárias ou causadas pela interação de fatores genéticos e ambientais, envolvendo interações genéticas complexas.

A Fiocruz Bahia atua em estudos relacionados a diabetes e neoplasias, incluindo as relacionadas à infecção pelo HTLV . Ressalta-se ainda os estudos nas doenças falciformes, que são hereditárias, mas possuem características de doença crônico degenerativa, uma vez acomete todos os sistemas biológicos. Nesta área, têm sido desenvolvidos estudos relacionados a biomarcadores genéticos, imunológicos e bioquímicos, investigação de mecanismos patogênicos, principalmente em inflamação, bem como estudos clínicos e de susceptibilidade dos pacientes a diferentes infecções.

 

twitterFacebookmail

Abertas inscrições para o curso internacional “Statistical Methods for Genetic Epidemiology”

staticalEstão abertas as inscrições para o curso “Statistical Methods for Genetic Epidemiology”, a ser realizado nos dias 16 de fevereiro a 24 de março de 2016, na sede do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz, unidade da Fundação Oswaldo Cruz na Bahia. A atividade, coordenada pelos pesquisadores Mauricio Barreto e Manoel Barral-Netto, contará com os professores Bernd Genser, da University of Heidelberg, na Alemanha, Carlos Teles, da Fiocruz Bahia e Gustavo Costa, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFBA).

Interessados têm até o dia 2 de fevereiro para efetuar suas candidaturas, que devem ser feitas por meio do site do evento:http://cursos.bahia.fiocruz.br/biostatgenetics. No site do evento é possível encontrar o conteúdo de toda a programação e horários de realização das aulas. Importante ressaltar que o curso será realizado em Inglês e não contará com serviço de tradução simultânea.

De acordo com os organizadores, a atividade visa fornecer uma introdução aos métodos e técnicas quantitativas para pesquisa em epidemiologia genética. Ao final, espera-se capacitar os participantes neste campo, levando-os a compreender os princípios básicos, projetos comuns de pesquisa e métodos estatísticos adequados de estudos epidemiológicos envolvendo dados genéticos.

Novas perspectivas – Para Maurício Barreto, a pesquisa genética sofreu profundas transformações recentes, o que permitiu ampliar os estudos populacionais e em especial os estudos epidemiológicos que visam associar variações genéticas e fatores ambientais com doenças em populações humanas. “No Brasil, vários grupos já estão estudando diferentes aspectos da epidemiologia genética e este curso fornecerá maior embasamento metodológico para aquele que incursionam nesta área”, afirma.

Segundo o pesquisador, existe uma série de questões específicas de doenças na população brasileira, as quais devidamente exploradas, inclusive, com métodos da epidemiologia genética, podem não somente contribuir para avançar o conhecimento e possíveis soluções de problemas prevalentes no nosso meio, como também, eventualmente, colocar o país na fronteira do conhecimento nestes temas.

 

twitterFacebookmail