Home > Fiocruz e Você > Comunicação > Notícias

Pesquisador recebe mais alta condecoração do Poder Legislativo

Em reconhecimento ao seu trabalho em prol da Saúde Pública e do avanço do conhecimento científico, o coordenador do Centro de Integração de Dados e Conhecimento para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia), Mauricio Barreto, recebeu, na última quinta-feira (11/5), a Comenda Dois de Julho, a mais alta condecoração do Poder Legislativo. A sessão solene, proposta pelo deputado Aderbal Caldas, ocorreu no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia e foi aberta ao público externo.

mauricio_barreto_cee

Em 2015, o pesquisador também teve sua trajetória científica reconhecida pelo Fapesb ao receber o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico (Foto: CEE/Fiocruz)

 

A Comenda Dois de Julho foi instituída para homenagear as pessoas que contribuem para o desenvolvimento político e administrativo da Bahia e do Brasil, exercendo papel de destaque no cenário político ou social. A honraria representa a data da independência do Brasil na Bahia (quando os soldados baianos expulsaram as últimas tropas portuguesas do território brasileiro) e simboliza o sentimento motivador de libertação e emancipação do povo baiano.

Em 2015, o pesquisador também teve sua trajetória científica reconhecida pelo Fapesb ao receber o Prêmio Roberto Santos de Mérito Científico.

Trajetória

O pesquisador Mauricio Barreto nasceu em 29 de maio de 1954 em Itapicuru, pequena cidade do Norte do estado da Bahia. Médico (Ufba), Mestre em Saúde Comunitária (Ufba) e Ph.D. em Epidemiologia (Universidade de Londres), Mauricio Barreto é pesquisador sênior do Instituto Gonçalo Moniz (IGM/Fiocruz Bahia), onde fundou o Cidacs, e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Por longo tempo tem liderado um grupo de pesquisa voltado para aspectos epidemiológicos das doenças infecciosas, desnutrição e asma, avaliação do impacto populacional de intervenções, e aspectos teóricos e metodológicos da Epidemiologia. Barreto tem uma vasta bibliografia científica: são mais de 400 trabalhos publicados em revistas científicas, além de cerca de 40 monografias e capítulos de livros. É um grande formador também: orientou 18 dissertações de mestrado e 25 teses de doutorado.

Entre os trabalhos científicos de grande relevância se situa a liderança de um ensaio comunitário cuja conclusão determinou o fim da revacinação BCG no Brasil e outros países. Seu estudo sobre o impacto epidemiológico de um programa de esgotamento sanitário em Salvador (BA) esteve entre os 12 artigos indicados em 2008 para a premiação Paper of the Year, promovida pelo periódico científico The Lancet.

A sua atividade científica é reconhecida com a participação em comitês de assessoramento em questões de políticas científicas ou de saúde em diversas organizações nacionais e internacionais. Desde 1998 é pesquisador I-A do CNPq; em 2003, ele foi eleito membro titular da Academia Brasileira de Ciências e, em 2014, da The World Academy of Science (TWAS). Barreto ainda foi conselheiro para América Latina da Associação Internacional de Epidemiologia (2002-2008) e participou de diversos comitês assessores na Organização Mundial da Saúde (OMS).

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

twitterFacebookmail