Dissertação analisa a situação epidemiológica da leishmaniose visceral no município de Barra

Getting your Trinity Audio player ready...

Estudante: Caliene Melo de Andrade Silva
Orientação: Deborah Bittencourt Mothé
Co-orientação: Jairo Torres Magalhães Junior
Título da dissertação: “EPIDEMIOLOGIA DA LEISHMANIOSE VISCERAL NO MUNICÍPIO DE BARRA-BA”
Programa: Pós-Graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa
Data de defesa: 28/05/2024
Horário: 14h00
Local: Sala do Zoom
ID da reunião: 842 1613 1909
Senha: caliene

Resumo

As mudanças socioambientais nas áreas urbanas têm influenciado os fatores que alteram a dinâmica de transmissão da Leishmaniose Visceral (LV), contribuindo para a adaptação do vetor e a consequente manutenção da doença. Os casos de Leishmaniose Visceral Canina (LVC) geralmente precedem os casos humanos. A identificação de áreas de risco para LV é de fundamental relevância para a prevenção e controle desta doença que tem grande impacto na saúde pública. OBJETIVO: Este estudo teve como objetivo analisar a situação epidemiológica da LV no município de Barra, no Oeste da Bahia. MATERIAIS E MÉTODOS: Trata-se de um estudo de corte transversal, baseado no levantamento da soroprevalência da LVC, no estudo e distribuição da fauna flebotomínea e da identificação dos casos de LV. Foram realizadas análises estatísticas e espaciais a partir dos dados primários coletados dos cães, dos flebotomíneos e dos dados secundários de incidência de casos humanos. RESULTADOS: Os nossos resultados identificaram 18,9% de soroprevalência para LVC e a presença predominante da espécie L. longipalpis na zona urbana do município de Barra – BA. A estimativa de kernel indicou uma alta densidade de casos de LVC na área do Parque das Lagoas. Enquanto que a varredura estatística espacial, identificou um cluster primário com 87,5% de prevalência para LVC e razão de prevalência de 5,21 vezes maior dos cães adquirirem a infecção neste perímetro, do que nas outras áreas estudadas. A análise multivariada revelou que cães residentes na área do Parque das Lagoas (RP=3,0), assim como os que dormem na rua (RP=3,5), estão mais susceptíveis a apresentarem LVC. Os buffers implementados ao redor das residências em que as armadilhas capturaram flebótomos, demonstraram um aumento de 69% na chance dos cães de estarem expostos a LVC. CONCLUSÃO: A partir desses resultados podemos inferir que a LVC é endêmica na zona urbana do município de Barra – BA, com destaque para determinados recortes geográficos, em que as condições socioambientais possuem fatores que contribuem para a manutenção da cadeia epidemiológica da doença. Os dados obtidos podem auxiliar para o melhor direcionamento das ações dos serviços de saúde da comunidade barrense.

twitterFacebookmail
[print-me]