LAPEC – Laboratório de Pesquisas Clínicas

A equipe do Laboratório de Pesquisas Clínicas (LAPEC) tem trabalhado com pacientes e contactantes destes, em áreas endêmicas de doenças tropicais e em um ambulatório especializado do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos (HUPES/UFBA). A equipe é composta por pesquisadores que atuam nas áreas de clínica médica, imunologia, imunologia clínica e biologia molecular.

Estes pesquisadores desenvolvem atividades que se complementam com o trabalho dos seguintes pesquisadores:

– Lucas Carvalho, que trabalha principalmente na área da resposta imune inata, investigando o papel de fagócitos mononucleares no desenvolvimento da úlcera leishmaniótica, determinando vias inflamatórias na leishmaniose tegumentar Americana (LTA) relacionadas com as prostaglandinas e leucotrienos e na ativação do inflamassoma nas leishmanioses e nas reações hansênicas;

– Thiago Cardoso, atuando predominantemente na citotoxicidade mediada pelas células CD8, na identificação de marcadores imunológicos associados a patologia das leishmanioses e doenças de Chagas e na imunopatologia do carcinoma mamário canino;

– Edgar Carvalho, que atua na interface entre a resposta imune e a expressão clínica de doenças infecciosas, mecanismos imunológicos associados com proteção e dano tecidual e novas formas de tratamento na leishmaniose tegumentar, na infecção pelo HTLV-1 e nas reações hansênicas.

Gestão
Michele paixão dos santos

Telefone: +55 (71) 3176-2357
E-mail: aline.souza@terceirizado.bahia.fiocruz.br

twitterFacebookmail

LAIPHE – Laboratório de Interação Parasito-Hospedeiro e Epidemiologia

As linhas de pesquisa da equipe proposta para o Laboratório de Interação Parasito-Hospedeiro e Epidemiologia (LaIPHE) têm, como eixo central, as doenças negligenciadas causadas por Tripanossomatídeos. Envolvendo esse tema, o laboratório propõe uma abordagem interdisciplinar, agregando subáreas de concentração sobre a Interação Parasito-Hospedeiro, Epidemiologa, desenvolvimento de novas ferramentas para diagnóstico, além da identificação de novos alvos terapêuticos e profiláticos (tratamento).

Os principais alvos de interesse do grupo são as populações humanas e caninas acometidas por essas enfermidades. Os modelos experimentais de infecção in vivo e in vitro também serão empregados para definir os mecanismos envolvidos no achado dos estudos epidemiológicos. Neste sentido, a proposta para o LaIPHE é que as diferentes áreas de atuação sejam complementares, permitindo uma maior abrangência, bem como uma maior otimização, dos estudos sobre as suas linhas de pesquisa.

Na linha de pesquisa sobre a Interação Parasito-Hospedeiro, o LaIPHE pretende abordar os mecanismos de fagocitose e autofagia, além do envolvimento da imunidade inata e adaptativa, bem como da migração celular, imunomodulação e imunopatogênese destas doenças. Ademais, o grupo tem interesse no efeito de co-morbidades e na identificação de biomarcadores para estas doenças.

Além disso, pretende-se atuar na epidemiologia destas doenças, através da identificação de fatores determinantes na transmissão e disseminação, além da avaliação de medidas de controle e desenvolvimento de novos métodos de diagnóstico, que também é de interesse do LaIPHE, através da Identificação de novos antígenos, geração de novas ferramentas e validação do potencial para diagnóstico.

Por fim, para tratamento, o laboratório pretende identificar novos alvos, investigar diferentes esquemas de administração e entrega de fármacos, bem como seus mecanismos de ação.

Apoio Técnico-Científico

Telefone: +55 (71) 3176-2273
E-mail: isabele.coelho@terceirizado.bahia.fiocruz.br

twitterFacebookmail

LIB – Laboratório de Inflamação e Biomarcadores

Atuam no Laboratório de Inflamação e Biomarcadores (LIB) os seguintes pesquisadores e suas linhas de pesquisa:

– Manoel Barral Netto: atua na investigação da abordagem de imunoquimioterapia para proteção na leishmaniose visceral canina. São realizadas abordagens em cães naturalmente infectados para o teste de novos esquemas terapêuticos através do uso combinado de imunobiológicos e Alopurinol. O pesquisador também coordena projeto PROEX que busca por biomarcadores em doenças epidemiologicamente importantes na Bahia, como a leishmaniose tegumentar, a infecção por HTLV-1 e doenças associadas.

– Valéria Borges: o grupo coordenado pela pesquisadora investiga mecanismos determinantes na interação vetor-hospedeiro-Leishmania, Os estudos poderão conduzir à identificação de novas vias inflamatórias associados com a imunopatogênese da leishmaniose das diversas formas clínicas da doença, bem como a proposta de novos potenciais alvos terapêuticos.

– Bruno Andrade contribui com estudos na pesquisa clínica na área de biomarcadores imunológicos de prognóstico e patogênese de doenças infecciosas (malária, tuberculose, HIV e leishmaniose) em países de alta endemicidade e em:
   *Modelos experimentais;
   *Imunopatogênese da infecção pelo HIV: fatores prognósticos;
   *Patofisiologia da síndrome inflamatória associada a imunorreconstituição;
   *Desenvolvimento de técnicas analíticas multidimensionais de bioestatística para estudo de biomarcadores em doenças infecciosas;  
   *Epidemiologia e patogênese de comorbidades infecciosas.

– Leonardo Farias: trabalha com estudos na linha de pesquisa de inflamação e vias de sinalização da leishmaniose. Na linha de pesquisa de prospecção de novos fármacos com atividade leishmanicida e imunomodulatória para o tratamento da leishmaniose cutânea, o potencial de um inibidor de histona demetilase será avaliado in vivo explorando o modelo de infecção de camundongos com L. braziliensis.

– Jorge Clarêncio Andrade contribui com sua larga experiência em citofluorimetria para identificar, ex vivo e in vitro, biomarcadores presentes na resposta imune celular em indivíduos com leishmaniose (tegumentar e visceral) que são refratários ao tratamento com glucantime.

Estudantes
Laiana arlego barbosa
Rafael de andrade inácio silva
Apoio Técnico-Científico
Jorge clarêncio souza andrade

Telefone: +55 (71) 3176-2259
E-mail: limi@bahia.fiocruz.br

twitterFacebookmail

LEITV – Laboratório de Enfermidades Infecciosas Transmitidas por Vetores

O Laboratório de Enfermidades Infecciosas Transmitidas por Vetores (LEITV) tem como principal enfoque as linhas de investigação nas áreas de leishmaniose humana e experimental e estudos na área de arboviroses.

Antigo Laboratório de Imunoparasitologia (LIP), o LEITV ampliou as linhas de pesquisa básica, clínica e translacional em leishmaniose humana e experimental. A incorporação de ferramentas de bioinformática e biologia de sistemas propiciou novas abordagens na área de imunopatogênese e favoreceu o desenvolvimento da pesquisa de campo na área endêmica de leishmaniose tegumentar. A partir desses avanços, pretende-se desenvolver novas propostas de avaliação clínica, de biomarcadores e de resposta terapêutica.

Adicionalmente, a busca de alternativas à terapêutica com o antimonial pentavalente tem sido outro enfoque estratégico do laboratório. Pesquisa envolvendo a avaliação de novos compostos e antígenos com potencial terapêutico e vacinal tem sido desenvolvido em modelos experimentais e ensaio clínico. O intuito é ampliar os estudos a partir da utilização da nanotecnologia como recurso de inovação, para ampliar a eficácia e o potencial translacional de fármacos anti-leishmania, bem como de antígenos vacinais.

A experiência da equipe no estudo de infecção transmitida por vetores associada à entrada de novos pesquisadores com perfil de clínica, virologia clássica e farmacologia/nanotecnologia contribuiu para a concepção de estudos sobre Zika, Chikungunya e Dengue, em resposta ao desafio das arboviroses emergentes e reemergentes. Atualmente, são conduzidos três projetos em arboviroses aprovados por agências de fomento nacionais, que envolvem a participação de alunos de graduação e pós-graduação. Foram propostas ações no campo clínico, de investigação da resposta imune e epidemiologia molecular.

Recentemente, o laboratório passou a desenvolver estudos visando melhorar a biodisponibilidade de compostos com potencial terapêutico contra a infecção por Dengue, Chikungunya e Zika. Estes estudos baseiam-se no desenvolvimento de sistemas nanoestruturados para otimizar o delivery e, consequentemente, o índice terapêutico de moléculas antivirais promissoras. Por outro lado, o laboratório vem atuando em novas abordagens sobre a tecnologia de larvicidas e repelentes, buscando sua inserção no esforço de desenvolvimento tecnológico.

Estudantes
Carolina maria vianna guimarâes
Juqueline rocha cristal
Apoio Técnico-Científico
Luísa reis pedrosa

Telefone: +55 (71) 3176-2259
E-mail: lip@bahia.fiocruz.br

twitterFacebookmail